Pastor acusado de ‘formar igreja doméstica’ é libertado no Irã

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Yasser Mossayebzadeh foi preso em 2018. (Foto: Reprodução / Artigo 18)
Yasser Mossayebzadeh foi preso em 2018. (Foto: Reprodução / Artigo 18)
banner formulanegocioonline 728x90 3

Mohammad Ali (Yasser) Mossayebzadeh, que cumpria uma pena de 10 anos por ser membro de uma igreja doméstica, foi libertado condicionalmente da prisão. Ele foi acusado de “formar uma igreja doméstica” e “promover o cristianismo sionista”.

Segundo informações, sua libertação foi possível porque as autoridades entendem que ele não tem mais interação com outros cristãos, nem se envolver em quaisquer atividades cristãs.

O Artigo 18, instituição de defesa de cristãos perseguidos, diz que a sentença de 10 anos de Yasser foi reduzida para três anos durante uma audiência no mês passado. Agora ele foi libertado condicionalmente da prisão, o que aconteceu na última segunda-feira (22).

Yasser começou a cumprir sua sentença em julho de 2018. A libertação do pastor aconteceu alguns meses antes do previsto. Supõe-se que ele foi pressionado a renegar sua fé a fim de garantir uma libertação antecipada.

No entanto, pouco se sabe sobre sua situação, pois durante a prisão Yasser se distanciou dos três companheiros convertidos ao lado dos quais havia sido condenado e encarcerado: Yousef Nadarkhani, Mohammad Reza (Youhan) Omidi e Zaman (Saheb) Fadaei.

Todos os quatro homens pertenciam à mesma igreja doméstica em Rasht, norte do Irã, e todos receberam sentenças de 10 anos, embora no ano passado as sentenças dos outros três homens também tenham sido reduzidas: Yousef e Saheb para seis anos e Youhan para dois.

Youhan foi libertado da prisão em agosto de 2020 e agora está cumprindo mais dois anos no exílio em Borazjan, oeste do Irã. Ele e Saheb também foram açoitados no ano passado em relação a uma condenação separada por beber vinho com a comunhão.

Saheb e Yousef permanecem na prisão, tendo decidido não apelar para a libertação condicional porque para isso eles teriam que se comprometer a não se envolver em nenhuma outra atividade cristã, o que não é algo que eles estão dispostos a fazer.

Desafios

Mas o caso de Yasser destaca os graves desafios que os convertidos cristãos enfrentam no Irã após sua prisão, interrogatório e prisão, já que eles são rotineiramente pressionados a renunciar à fé para reconquistar sua liberdade.

Muitos resistem bravamente a tais pressões, mas não é de admirar que outros achem o desafio grande demais.

Quer Yasser tenha renegado ou não sua fé, ela nunca deveria ter sido exigida dele.

Violações

Para o judiciário iraniano, fazer frequentemente tais exigências aos convertidos cristãos é uma violação grosseira de seu direito à liberdade de religião ou crença, conforme consagrado no Artigo 18 do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, que o Irã ratificou, sem reservas, e é, portanto, legalmente obrigado a defender.

Ainda ontem, o Artigo 18 relatou que o Irã foi considerado culpado de deter arbitrariamente Yousef Nadarkhani, e dentro da petição que levou ao veredicto de culpado foi notado que o pastor “foi oferecido leniência se renunciasse à sua religião, e enquanto estava preso na Prisão de Lakan, Agentes do governo tentaram convertê-lo ao Islã”.

E acrescentou: “As autoridades também tentaram pressionar o Sr. Nadarkhani a renunciar à sua fé prendendo um membro da sua família.”

Tal pressão vai contra não apenas as convenções internacionais das quais o Irã é signatário, mas também a própria constituição do Irã, que afirma no Artigo 23 que: “A investigação das crenças dos indivíduos é proibida e ninguém pode ser molestado ou punido simplesmente por manter uma certa crença.”

O Artigo 18 exorta o governo iraniano a aderir às suas obrigações nacionais e internacionais a este respeito, e à comunidade internacional a tornar as questões de direitos humanos, incluindo a liberdade religiosa, um pilar central de todas as negociações políticas ou econômicas com o Irã.

Fonte: Guia-me


FONTE ORIGINAL

Recomendado Posts

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *