Primeiros socorros dos pets: como proceder?

Primeiros socorros dos pets: como proceder?

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Os pets travessos existem em todas as espécies, raças e casas! E mesmo aqueles que não costumam exagerar nas corridas entre os cômodos, subidas desautorizadas em móveis e esbarrões em vasos ou mesas, vez ou outra acabam dando algum susto nos tutores.

Da mesma forma que para os humanos, os primeiros socorros dos pets podem evitar o agravamento dos casos e até mesmo salvar vidas. “A recomendação mais importante é que em caso de acidente o animal receba atendimento veterinário imediato. Por isso, os tutores devem ter sempre à mão o telefone e endereço de um hospital que funciona 24 horas, e o contato do veterinário de confiança. Dessa forma, ele saberá para onde ir caso o pet precise de cuidados de emergência. Isso tornará a prestação do socorro mais ágil e ajudará o tutor a manter a calma”, explica o médico-veterinário Claudio Rossi, Gerente Técnico da Unidade Pet da Ceva

Algumas medidas de primeiros socorros podem contribuir para amenizar a dor do pet e a manter a sua segurança no intervalo entre o acidente e o atendimento especializado. Por isso, para auxiliar os tutores a saberem como agir em casos de emergência, o profissional , respondeu em detalhes como proceder caso o pet se envolva em um acidente doméstico. Confira:

  • Como agir se o pet apresentar irritação cutânea?
    Os animais apresentam, comumente, alergias e dermatite de contato, ambas são problemas causados pela reação alérgica do pet ao contato com alguma substância irritante (alérgena). Os pets afetados costumam apresentar coceiras, vermelhidão, bolhas vermelhas e falhas no pelo. Nesse caso, o ideal é que o tutor identifique a substância que causou a reação cutânea no animal e não tente utilizar nenhum produto caseiro para resolver a situação. O tratamento deverá ser indicado pelo médico-veterinário que poderá receitar medicamentos orais e pomadas ou outros tratamentos tópicos para auxiliar no desconforto do pet.
  • Como agir caso o pet sofra uma escoriação?
    As escoriações, que são os famosos “ralados”, costumam ser lesões de pele simples. Caso o animal sofra um pequeno arranhão, brincando na grama, por exemplo, é indicado higienizar a área lavando-a com água e um pouco de shampoo neutro, próprio para pets. Se a lesão for maior, ou o pet apresentar dor na região, poderá ser necessária a utilização de pomada antisséptica veterinária, que deverá ser indicada por um profissional. Em ambos os casos é importante manter a área limpa e coberta para que o pet não consiga lamber a ferida e para que ela possa cicatrizar.
  • Como agir em caso de queimaduras?
    Em casos de queimaduras, é indicado lavar a área afetada com água fria corrente por alguns minutos para resfriar e aliviar a dor. Não se deve utilizar pomadas ou receitas caseiras, apenas é preciso cobrir a região com uma atadura ou pano limpo molhado e levar o animal para avaliação profissional.
  • Como agir em caso de choque elétrico?
    Caso o pet sofra um choque elétrico, a primeira coisa a ser feita é retirar o equipamento ou fio da tomada, mas é importante tomar cuidado para não tocar no animal durante a descarga, pois há possibilidade de condução de corrente elétrica e consequente choque. Na sequência, verificar se o pet está consciente e qual o seu comportamento. Dependendo da intensidade da corrente elétrica, o animal pode sofrer graves queimaduras na boca ou patas, e até mesmo ter arritmia cardíaca. Por isso, é fundamental que ele seja levado imediatamente ao atendimento veterinário mais próximo.
  • Como agir caso o pet apresente uma lesão com sangramento?
    As lesões hemorrágicas são aquelas com sangramento ativo que podem ser causadas por mordidas, cortes ou perfurações. Nesses casos, conter o sangramento é importante, para isso, o tutor pode pressionar a região com gaze ou um pano limpo enquanto leva o pet ao veterinário, o procedimento ajudará a conter a perda de sangue. É importante ressaltar que caso haja algum objeto causando o sangramento, o tutor jamais deve tentar retirar o item, isso poderá agravar ainda mais o quadro do pet.
  • Como agir caso o pet sofra uma fratura?
    Comumente as fraturas ocorrem em caso de queda ou atropelamento. Em ambos os casos elas podem ser internas (quando não existe rompimento da pele), ou externas (quando os ossos ficam expostos). Caso o animal sofra uma fratura interna, o tutor pode tentar imobilizar a região para evitar que o pet se machuque durante o trajeto até o atendimento veterinário. Para isso ele poderá utilizar gaze ou atadura, esparadrapo e um objeto reto mais rígido para servir de apoio, como um papelão. Se a fratura for externa, é indicado apenas cobrir a região com uma atadura ou pano limpo. Em ambos os casos o tutor deverá buscar socorro imediatamente.
  • Como agir se o pet for picado por um animal peçonhento?
    Se for possível, o tutor deve tentar identificar o animal peçonhento que picou o pet, isso auxiliará no atendimento veterinário. É importante que o tutor não tente mexer no local onde o animal foi picado, muito menos que tente remover o veneno realizando algum corte ou perfuração. O pet deve ser levado imediatamente à clínica mais próxima para que receba o tratamento adequado.

    Em muitos casos o tutor pode não estar presente na hora que o animal é picado. Nesse cenário é preciso estar atento caso o animal manifeste sintomas que indicam o contato com um animal peçonhento como: inchaço ou sangramento no local da picada, nas narinas ou gengivas, vômito, fraqueza, dificuldade respiratória, entre outros.

    A gravidade do quadro irá depender do tipo de agressor, qual região acometida pelo veneno, a quantidade de veneno e o tipo de reação no organismo do animal. Por isso, caso note qualquer alteração no comportamento do pet, o tutor deve buscar ajuda com urgência.

  • Como agir em caso de intoxicação por ingestão oral?
    O primeiro passo é identificar o que causou a intoxicação. O produto, alimento ou planta, a quantidade ingerida e há quanto tempo o pet está apresentando sintomas. Essas são informações importantes que auxiliarão no atendimento veterinário.

    Caso o tutor tenha carvão ativado em casa, ele poderá ministrar o mesmo ao pet, seguindo as orientações do fabricante. O carvão ativado reduz a absorção da toxina pelo organismo.

    Outro ponto de atenção é que não se deve forçar o vômito do animal, pois a prática poderá agravar o quadro ou até mesmo gerar lesões no estômago e esôfago do animal. O pet deverá ser levado ao veterinário imediatamente, se possível junto com o item ou informação do que causou a intoxicação.


FONTE ORIGINAL

Metade dos donos de pets só viajam com seus pets

Metade dos donos de pets só viajam com seus pets

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Os animais de estimação já são parte da nossa vida, da nossa família e da nossa rotina. Esses bichinhos fofos trazem muita alegria e sempre nos retribuem com muito carinho e amor. Lá em casa eu tenho uma linda cachorrinha que é como uma filha. Mas e na hora de viajar? Os apaixonados pelos seus animais de estimação sempre vivem um dilema: com quem deixá-los?

A tendência Pet Friendly no turismo vem crescendo bastante nos últimos anos e, segundo pesquisa realizada pelo Bookin.com em 2020, 51% dos entrevistados afirmaram que só iriam viajar se pudessem levar o seu pet, número que evidencia que fazer turismo com animais de estimação virou uma grande tendência no Brasil.

Acompanhando essa tendência, o número de propriedades Pet Friendly só aumenta. De olho nesse mercado, as acomodações buscam formas inovadoras de atender esse público, oferecendo serviços e comodidades sob medida para pets, como é o caso da Pousada Casa de Maria, localizada em Prado, na Bahia, que recebe cachorros, gatos, aves, coelhos, hamsters e animais de pequeno porte no geral, com hospedagem na mesma suíte que os donos, sem a cobrança de taxas extras. O espaço ainda possui um mascote, o labrador Black, que ajuda na recepção carinhosa com os hóspedes.

– Recomenda-se que os donos levem apetrechos como cama, tapete higiênico, brinquedos, pote de água e ração e que façam um roteiro de praias onde os bichinhos são permitidos já que eles não podem circular pelas áreas comuns do estabelecimento. A viagem para a Bahia precisa ser relaxante também para eles – afirma Maria Venturelli, proprietária da Pousada Casa de Maria.

Um labrador que adora viajar e surfar

Na primeira semana do meu novo programa na Band, o “Vem Com a Gente”, tive o prazer de entrevistar o empresário e surfista Ivan Moreira, dono do cachorro Bono, um labrador especial, que adora surfar e viajar com seu dono. O Bono é pentacampeão mundial de surf dog e foi recebido com todo o carinho pela equipe do hotel Fairmont, onde estamos gravando o programa. O local também permite que seus hóspedes possam trazer seus pets.

– É um privilégio poder dividir a nossa vida com esses anjinhos de 4 patas. Vejo espaços como hotéis 5 estrelas como o Fairmont, shoppings e restaurantes Pet friendly, e acho incrível. As pessoas estão entendendo que o pet é um membro da família. Eu não viajo sem o Bono desde 2013. De lá pra cá foram 8 idas para a Califórnia, 2 para o Hawai, onde conhecemos todas as ilhas, Nova York, 3 vezes para Miami, Peru e muitos lugares no Brasil – explicou Ivan.

E a aventura desse cachorrinho não para por aí. A família inteira se prepara para embarcar em uma aventura muito diferente.

– Agora que a família aumentou com a Cacau, que é filha do Bono e o Bali, o Bull Terrier da minha mulher, não vai ser diferente. Em março a Surf Dog Family vai fazer a primeira viagem. Eu, a Camila e os três dogs vamos passar dois meses conhecendo vários lugares paradisíacos do litoral brasileiro de carro. Em cada um deles iremos vivenciar a cultura de cada estado além de mostrar os melhores lugares pet friendly’s do país. Tudo isso com muito surf, remada, trilhas e cachoeiras – finalizou Ivan.

Confira algumas dicas para viajar com seu pet:

– Não ofereça comida durante a viagem, pois isso pode causar enjoo. É importante que ele viaje já alimentado;
– Não deixe de levar a carteira de vacinação do animal. As vacinas devem estar em dia;
– É importante que a coleira seja identificada com o nome do animal e o nome e o telefone do seu dono.

Fonte: O Dia.


FONTE ORIGINAL

Cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Muitas pessoas sofrem alergia de cães e gatos. Cerca de 40% das crianças asmáticas também são alérgicas a animais. Mas podemos nos perguntar: cachorros e gatos podem ser alérgicos a humanos?

Assim que o dono percebe o comportamento estranho de seu animal de estimação, ele corre imediatamente ao veterinário em busca de uma solução. No entanto, os veterinários nem sempre podem diagnosticar o animal.

Infelizmente, hoje, quando o dono percebe que seu gato ou cachorro é alérgico, o veterinário pode apenas sugerir que ele remova gradualmente os possíveis alérgenos e monitore a condição do animal. Portanto, é muito difícil dizer de forma inequívoca se uma pessoa pode causar uma reação alérgica em um animal, mas existem várias teorias sobre o assunto.

Douglas Deboer, dermatologista da Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Wisconsin, observa que, se um animal for alérgico a humanos, isso será extremamente raro. O cientista observa que pode ocorrer uma reação alérgica em um animal devido à caspa humana, por exemplo, assim como começamos a espirrar ao ver um gato ou um cachorro, pois nossa reação alérgica aos animais é, geralmente, causada pela caspa do animal, ou seja, as células mortas da pele.

Elia Tate Voino, imunologista da Universidade de Washington, observa que o teste de alergia em animais é um processo muito complicado. Os veterinários nem mesmo fazem isso para verificar se há alergias alimentares, então não está claro se os animais podem ser alérgicos a humanos. Na maioria das vezes, o médico simplesmente prescreve medicamentos para o animal de estimação para o tratamento de alergias, sem realizar exames sérios. Portanto, em nível populacional, é difícil entender quantos animais são alérgicos.

No entanto, embora a existência de alergias humanas em cães e gatos seja uma questão discutível, há evidências de que os animais de estimação podem ser alérgicos uns aos outros. Embora muito raros, houve casos em que gatos com tendência a desenvolver asma eram alérgicos a cães.

Fonte: SoCientifica

FONTE ORIGINAL

Cachorro pode tomar água de coco?

Cachorro pode tomar água de coco?

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


A água pura é o único líquido realmente fundamental para o nosso organismo. Porém, é difícil encontrar quem não goste de uma bebida mais saborosa de vez em quando. No caso dos cãezinhos, não há necessidade em variar na dieta, mas será que cachorro pode tomar água de coco?

A fim de responder essa e outras perguntas a respeito dessa bebida natural, preparamos um conteúdo completo. Portanto, continue lendo e descubra se cachorro pode tomar água de coco!

Cachorro pode tomar água de coco?

Água de coco para cachorro? Só em situações especiais. Diferentemente de outras bebidas, como as alcoólicas ou açucaradas, não faz mal dar água de coco para cachorro. No entanto, ela deve ser oferecida apenas de maneira esporádica e não deve substituir a água pura como forma de hidratação.

Entre os motivos para não oferecer água de coco ao cachorro indiscriminadamente está o fato de que, ao contrário da água pura, ela não é livre de calorias, o que pode contribuir para o aumento de peso. 

Além disso, justamente por ser muito rica em nutrientes, o excesso de água de coco pode levar a um desequilíbrio de minerais no organismo. Nesse sentido, a água de coco é especialmente rica em potássio, cujo excesso está associado à gastroenterite e a alterações no funcionamento do miocárdio.

Cuidados ao oferecer água de coco

De preferência, evite oferecer água de coco ou qualquer outro alimento sem o conhecimento de um médico-veterinário. Caso não consiga resistir aos olhinhos pidões do seu amigo, não há problemas em dar um pouquinho da sua água de coco para cães, desde que ela esteja fresca e você utilize um recipiente limpo. 

A água de coco é uma bebida muito perecível! Se não for ingerida imediatamente, deverá ser descartada imediatamente. E se a sua dúvida é se cachorro pode tomar água de coco de caixinha, pelos motivos citados acima, esta é uma bebida proibida. 

Outra maneira possível e muito diferente de oferecer água de coco aos cachorros é em picolés de fruta caseiros. Nesse caso, cachorro pode tomar água de coco e é bastante indicado para os dias quentes ou após atividades físicas intensas. 

Para preparar, bata uma fruta liberada para os cães, como melancia, no liquidificador com uma pequena quantidade de água de coco. Em seguida, coloque a mistura em forminhas de picolé e leve ao congelador. 

Pode dar água de coco para cachorro com diarreia?

Agora que sabe se cachorro pode beber água de coco, não ofereça nenhum alimento para o tratamento de problemas de saúde sem a devida prescrição de um veterinário, após avaliação do quadro específico do pet. 

Afinal, a diarreia é um sintoma comum a uma série de doenças que vão desde uma leve indigestão até problemas graves, como a cinomose canina. Em caso de diarreia persistente, levar o pet para uma consulta a fim de identificar a causa do problema é fundamental para buscar um tratamento adequado o quanto antes, melhorando o prognóstico.

Outro motivo para não oferecer água de coco ao cachorro como tratamento da diarreia é que o potássio presente na bebida pode desencadear gastroenterite em alguns pets. 

Ou seja, em vez de hidratar o cãozinho, ao oferecer água de coco de maneira inadequada, o tutor pode acabar acelerando a desidratação, com piora do quadro. Na dúvida, consulte sempre um veterinário.

Fonte: Petz


FONTE ORIGINAL

Rede de petshops de Curitiba lança opções de serviços e tratamentos exclusivos

Rede de petshops de Curitiba lança opções de serviços e tratamentos exclusivos

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Quem opta pela companhia de um pet para alegrar o lar sabe que há diversos cuidados essenciais para saúde, conforto e vitalidade que devem fazer parte da rotina de qualquer animalzinho. E o segmento de produtos e serviços para o universo pet tem evoluído cada vez mais nesse quesito. Atenta às novidades e buscando sempre oferecer o melhor em itens e tratamentos, a Esalpet, maior rede de petshops de Curitiba, ampliou sua gama de atendimentos voltados a higiene e bem estar para cães e gatos, e acaba de lançar novas opções especiais de serviços em suas seis lojas na capital paranaense.

Além dos já tradicionais banho e tosa, a Esalpet oferece também tosa higiênica, tosa higiênica especial, tosa a tesoura, hidratação, hidratação com vinho, hidratação a laser e clareamento a laser. “São opções diferenciadas que colaboram diretamente não só com a aparência, mas também com a saúde e conforto dos pets. Sempre estamos em busca das melhores maneiras de facilitar o dia a dia do cliente e garantir o acesso do público curitibano ao que há de melhor e mais avançado no mercado de pets, por isso estamos muito felizes em disponibilizar esses novos serviços”, comenta Bruno Esperança, CEO do Grupo Esal, responsável pela Esalpet.

As opções de tratamentos de higiene e bem estar também incluem escovação de dente, corte de unha, meia tosa, remoção de subpelo e trimming com banho. O preço de cada serviço é classificado de acordo com a raça ou porte do animal e categorizado por peso e tamanho do pelo. “Trabalhamos para ir além do básico e oferecer opções que façam a diferença e promovam maior qualidade de vida aos animais, sempre focados na excelência e segurança e incluindo todos os portes e necessidades”, completa Bruno Esperança.

A Esalpet conta com lojas nos bairros, Rebouças, Vila Izabel, Centro Cívico, Uberaba, Santa Felicidade e no ParkShoppingBarigui. Os serviços de hidratação a laser estão temporariamente disponíveis somente nas unidades Rebouças e ParkShoppingBarigui. Mais informações no telefone e Whatsapp  (41) 3091-0400 ou acesse o site www.esalpet.com.br.

Fonte: XV Curitiba


FONTE ORIGINAL

Mantenha seu pet protegido das pulgas no verão

Mantenha seu pet protegido das pulgas no verão

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Se você tem um pet, sabe bem que as pulgas no verão parecem se multiplicar ainda mais rápido. Parecem não, elas realmente se proliferam ainda mais na estação mais quente do ano! O calor e a umidade facilitam o chamado ciclo das pulgas, e o clima quente é propício para mais passeios e interação, ou seja, mais oportunidades delas saltarem de um cachorro para o outro.

Esses parasitas vivem à procura de um lugar quentinho e aconchegante, onde podem se reproduzir com facilidade e alimentar seus filhotes. É exatamente por esse motivo que o verão acaba sendo uma das piores épocas do ano para os pets quando o assunto são elas, as pulgas!

Acabe com o ciclo das pulgas no verão

Apesar de acontecer durante todo o ano, o verão é a época propícia para a proliferação desses terríveis parasitas. Por isso, é mais comum que as infestações aconteçam justamente na estação mais quente do ano.

Para acabar com infestações, você precisará de armas poderosas para enfrentar a batalha: antipulgas potente, higienização do local e dos objetos, e manutenção adequada.

Para eliminar pulgas em todas as fases da vida utilize um antipulgas forte, como SimparicNexgardBravecto ou similares. Eles possuem pouco tempo de proteção, mas são ótimos para acabar com infestações. Qual o ideal? Depende do seu pet! Consulte um veterinário!

Cuide do ambiente em que o pet vive

Além de cuidar do animal, é necessário higienizar o ambiente e os objetos para acabar de uma vez com as pulgas no verão. A maior parte das pulgas sequer fica nos animai. Cerca de 95% delas estão no ambiente em que os pets vivem. Elas adoram se esconder no piso, nos tapetes, nas caminhas e nos objetos.

Utilize produtos como o Herbalvet e Hysteril para eliminar as pulgas e aplique um antipulgas para evitar que elas voltem aos ambientes.

Manutenção com coleira antipulgas no verão

Após acabar com a infestação é fundamental fazer o uso de medicamentos antipulgas de uso contínuo. As coleiras antipulgas costumam ser boas opções. Elas liberam o princípio ativo aos poucos tendo a duração extendida e sendo ótimas para a manutenção dos pets sem pulgas no verão e nas outras estações.

95% das pulgas ficam no ambiente

Remédio e coleiras são o bastante? Não! As pulgas no verão (e não só nele) são voltam facilmente quando a casa não recebe a higienização adequada.

A única forma de acabar com esses parasitas é interrompendo seu ciclo de alimentação e reprodução. Por isso, a força-tarefa deve ser coordenada e contar com cuidados com o animal e com a casa.

Se tudo for feito adequadamente, não será difícil vencer a guerra contra as pulgas!

Fonte: Cobasi

FONTE ORIGINAL

Saiba quem são os novos clientes do mercado pet

Saiba quem são os novos clientes do mercado pet

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


As tecnologias marcaram um antes e um depois em nossa sociedade. Os hábitos de consumo e estilos de vida mudaram drasticamente e podemos ver isso no que hoje caracteriza cada geração. A realidade é que as novas gerações se adaptam com mais facilidade às tecnologias e, por consequência, criam novas formas de utilizá-las. Cada geração nasce em contextos diferentes, então é normal que hoje cada uma tenha seu nome: millennials , geração z , baby boomer , etc.
A importância de classificar as gerações é que cada geração define um tipo de cliente. Os clientes desejam determinados produtos de acordo com variáveis ​​psicossociológicas, geracionais e históricas. Portanto, o objetivo das empresas é satisfazer essas demandas com produtos que se adaptem a diferentes nichos.

Millennials
Em particular, o que nos interessa são os chamados Millennials , ou seja, todas aquelas pessoas nascidas a partir dos anos 80, que se caracterizam por ser uma geração digital, hiperconectada e com elevados valores sociais e éticos. É a geração mais comprometida com seus animais de estimação e que atualmente mais investe neles: produtos de beleza, acessórios, creche e veterinária, e também em alimentação.
É fundamental levar em consideração os Millennials porque hoje são jovens que lideram tendências no mercado e, logicamente, são seguidos por outras gerações. São muitos nichos específicos e isso permite ao mercado lançar cada vez mais produtos novos, melhores e especializados para estas gerações. Entre eles, os úmidos com carnes super premium e diferenciais.

Os Millennials buscam oferecer o melhor para o seu animal de estimação, principalmente no que diz respeito à alimentação. Pesquisas indicam que 86% dos Millennials preferem uma refeição natural, com ingredientes orgânicos e saudáveis.

Por se preocuparem com que seus animais de estimação comam coisas saudáveis, eles observam de onde vêm, ou seja, os processos dos desenvolvedores do produto. Por isso, buscam empresas sustentáveis ​​e comprometidas com o cliente, o meio ambiente e a sociedade.

A percepção dos Millennials
O que distingue os Millennials é que eles privilegiaram a humanização dos pets. Esses consumidores consideram que seus animais de estimação fazem parte de sua família e exigem os mesmos valores para si. Procuram produtos que não só satisfaçam as necessidades nutricionais, mas também que neles encontrem individualização, conforto e qualidade.

A razão por trás de ter um animal de estimação é que a maioria dos Millennials os vê como uma experiência que os preparará para futuros pais. Três quartos dos Millennials têm gatos ou cachorros e, em muitos casos, mais de um. A pesquisa de mercado mostra que 82% dos Millennials que têm animais de estimação preferem ter um animal de estimação antes de se tornarem pais, porque isso ‘prepara você para a próxima etapa’.

Isso muda a percepção que as pessoas têm dos animais e também as possibilidades que as empresas podem oferecer aos clientes. Produtos novos, mais sofisticados e complexos estão surgindo no mercado, como alimentos úmidos. Eles procuram produtos frescos e naturais, semelhantes aos produtos que um ser humano gostaria, como o patê.

Anualmente, US $ 70 bilhões são gastos na indústria de animais de estimação (cuidados e alimentos). Nos EUA, 66% das famílias têm um ou mais animais de estimação. Esta é uma consequência direta desta nova geração que está disposta a gastar grandes somas de dinheiro para dar o melhor aos seus animais de estimação, provocando o crescimento global da indústria.

Baby boomers
Por sua vez, a geração Baby Boomers também é importante quando se pensa nas tendências de mercado. São todas aquelas pessoas nascidas entre 1946 e 1964, depois que a taxa de natalidade explodiu no final da Segunda Guerra Mundial.

Na última década, tornou-se o grupo com mais animais de estimação. Em apenas dez anos, o percentual cresceu de 27 a 32% em cães e gatos. Em particular, o cão foi escolhido como companheiro ao longo desses anos. E, em geral, essa geração tende a adotar filhotes assim que seus cães morrem. Ou seja, eles continuam sendo donos de animais de estimação.

Atualmente, todos os tipos de clientes devem ser levados em consideração para entender quais produtos precisam ser desenvolvidos para o contexto em que vivemos. Os hábitos de consumo e estilos de vida das gerações afetam tudo: tipo de produto, embalagem, fórmulas, ingredientes diferenciais, reclamações de produtos, marketing e tendências, canais de vendas e logística.

Allextruded News
Fonte: EditoraStilo – WMG – https://wmg-pet.com/


FONTE ORIGINAL

Como escolher o alimento ideal para cães e gatos?

Como escolher o alimento ideal para cães e gatos?

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Assim como para os seres humanos, uma boa alimentação também é fundamental para manter a saúde de cães e gatos em todas as fases da vida. E basta uma breve visita ao pet shop, físico ou virtual, para verificar que atualmente existe uma infinidade de opções de alimentos à disposição. Mas como escolher o melhor alimento para nutrir de verdade o melhor amigo?

“Os tutores devem ficar atentos ao que colocam no carrinho, optando sempre que possível por produtos de alta qualidade e que atendam às especificidades do pet”, indica o médico-veterinário Flavio Silva, supervisor de capacitação técnico-científica da PremieRpet®.

Ele esclarece que os alimentos para animais de estimação atualmente são segmentados. “Existem os alimentos standard, premium, premium especial e super premium. A diferença entre eles está na composição do produto, na qualidade, nos benefícios e isso interfere até na quantidade que deve ser oferecida”, diz Flavio, ressaltando que cada tutor deve consultar um médico-veterinário para avaliar o que se adequa melhor às necessidades individuais do pet.

Para Flavio, é muito importante esclarecer que as diferenças entre os segmentos praticados pelo mercado vão muito além da embalagem e do preço, e que podem fazer toda a diferença na qualidade de vida, saúde e longevidade do animal de estimação. “A ciência de nutrição evoluiu muito e hoje temos alimentos específicos para diferentes portes, raças, faixas etárias, para animais castrados e até para apoiar no tratamento de algumas doenças”, aponta.

Conheça as principais diferenças entre os segmentos de alimentos para cães e gatos:

Super Premium

Alimentos de alto valor nutricional, qualidade e aproveitamento. São utilizados somente ingredientes de altíssima qualidade com rigorosa seleção de fornecedores, com destaque aos funcionais. Não contêm corantes e aromatizantes artificiais e o sabor é conferido de forma natural. Por serem ricos em nutrientes, o aproveitamento (digestibilidade) é elevado e o animal precisa ingerir uma menor quantidade do alimento para ficar satisfeito, quando comparado aos segmentos premium e standard, e como consequência, há diminuição no volume de fezes. É o alimento que oferece maior quantidade de ingredientes especiais, que conferem benefícios extras à saúde dos cães, como, por exemplo: prebióticos, extrato de yucca, condroitina e glicosamina, beta glucano, óleo de peixe, hexametafosfato de sódio, entre outros. A formulação do alimento é fixa, não permitindo troca de ingredientes. São segmentados para diferentes necessidades: raça, porte, idade, condição corporal, estado fisiológico e estilo de vida. São alimentos de alto valor agregado e não são encontrados em supermercados, apenas em lojas especializadas, como pet shops e clínicas veterinárias.

Premium Especial

São alimentos completos e balanceados. Possuem concentrações nutricionais de nível ótimo. Atendem ao que é recomendado para cada espécie. Possuem ingredientes de alta qualidade e rigorosa seleção de fornecedores e matéria-prima. Apresentam bom aproveitamento (digestibilidade), que resulta em um consumo de alimento um pouco maior que a Super Premium e, como consequência, há um maior volume de fezes. São alimentos que oferecem alguns ingredientes especiais, que conferem benefícios extras a saúde dos cães, como: polpa de beterraba, hexametafosfato de sódio e MOS.

Premium

Alimentos completos e balanceados com concentrações nutricionais de nível intermediário, com rigorosa seleção de fornecedores e matéria-prima. Os ingredientes são de alta qualidade, permitindo maior aproveitamento que os do segmento standard. Atendem às necessidades alimentares específicas de cada espécie. Já é possível encontrar em alguns produtos ingredientes com propriedades funcionais. Apresentam bom aproveitamento (digestibilidade), que resulta em um consumo intermediário de alimento, superior ao alimento Super Premium e Premium Especial, e, como consequência, há um maior volume de fezes. Oferecem alguns ingredientes especiais, que conferem benefícios extras a saúde dos cães, como: polpa de beterraba, hexametafosfato de sódio e MOS. Algumas empresas adotam a substituição de matéria-prima e podem conter corantes e aromatizantes artificiais em sua formulação. O foco desses alimentos é oferecer melhor relação de custo-benefício. Podem ou não ser encontrados em locais não especializados, como supermercados, dependendo do modo de trabalho do fabricante.

Standard

São alimentos completos e balanceados, normalmente formulados com ingredientes com aproveitamento nutricional inferior ao Premium. Apresentam baixo aproveitamento (digestibilidade), ou seja, o animal precisa ingerir um volume maior de alimento, e o resultado é um volume de fezes maior. Atendem aos mínimos requisitos recomendados para cada espécie. Não há formulação fixa e possuem corantes e aromatizantes artificiais em suas formulações, tendo como objetivo o apelo visual e de sabor. O foco desses alimentos é diferenciar-se pelo preço baixo, sendo assim, não oferecem nenhum ingrediente especial.

Fonte: Assessoria de Imprensa.


FONTE ORIGINAL

Plantas pet friendly: conheça as espécies amigas dos animais

Plantas pet friendly: conheça as espécies amigas dos animais

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Plantas e pets deixam a casa mais alegre, não há dúvida. No entanto, se você é um marinheiro de primeira viagem (quer começar a cultivar plantinhas ou está pensando em adotar um animal de estimação), é bom ter em mente que existem plantas que podem ser prejudiciais à saúde do seu cão ou gato. Os bichinhos são curiosos por natureza e adoram fuçar. Por isso, na hora de alegrar a casa, o melhor que você pode fazer para ter um espaço verde e ao mesmo tempo garantir a segurança do seu animalzinho é escolher espécies de plantas pet friendly, que não oferecem riscos aos animais domésticos.

Segurança para o seu pet

Nos últimos tempos, muitas pessoas começaram a cultivar plantas em casa. Hortaliças, folhagens e flores, afinal, deixam a casa mais bonita e alegre. Mas, se você está apenas iniciando nesse segmento e tem um pet ou, ao contrário, se você já tem vasos ou um jardim e quer adotar um animalzinho, saiba que algumas espécies podem prejudicar a saúde do seu cão ou do seu gato. Isso porque algumas são tóxicas e podem ser perigosas para os bichinhos. Por isso, é importante escolher plantas pet friendly se quiser garantir uma convivência saudável entre essas duas paixões.

Ervas aromáticas

Que tal alegrar sua casa, deixar seus pratos mais saborosos e ainda garantir que nada de mal vai acontecer ao seu bicho de estimação? As ervas aromáticas, em sua maioria, são plantas pet friendly. Por isso, você pode apostar em alecrim, manjericão, coentro, salsa, tomilho, hortelã, sálvia, capim-limão e manjerona para ter uma mini-horta sem oferecer riscos ao seu pet.

Girassol

Se tem uma planta que representa a alegria é o girassol. E o melhor de tudo é que essa flor, além de linda, pode ser cultivada nas casas onde vivem animais de estimação. O girassol é pet friendly – ou seja, não é tóxico – e ainda fornece sementes que podem ser incluídas na nossa alimentação. Girassóis podem ser cultivados em jardins ou vasos.

Orquídea

A orquídea é uma flor que deixa qualquer ambiente bonito. São milhares de espécies com formatos e cores diferentes, mas o mais importante de saber é que você pode tê-la em casa sem oferecer nenhum tipo de risco ao seu animalzinho. E a orquídea tem ainda outra vantagem: além de ser pet friendly, não costuma atrair a atenção dos pets.

Lavanda

Essa espécie de planta, que é popular pelo seu poder relaxante e pela sua cor roxa, vai perfumar e embelezar a sua casa sem prejudicar o seu animalzinho. A lavanda é uma planta pet friendly, afasta os insetos, tem um cheiro delicioso e é linda. Além disso, os gatinhos adoram cheirar suas flores, que proporcionam sensação de calma e tranquilidade.

Samambaia americana

Já se você prefere as folhagens, pode apostar na samambaia americana que, além de dar um toque especial à decoração, é pet friendly. E tem mais: por ter galhos compridos, essa planta fica ainda mais bonita se for cultivada em pendentes. Sendo assim, se você quer ter uma dessa em casa, é só pendurar em um local onde seu animal de estimação não alcança.

Suculentas Echeveria

As suculentas são plantinhas simpáticas e muito fáceis de cuidar e, por isso, são uma ótima opção para ter em casa – especialmente se você ainda está começando nessa área. Porém, nem todo tipo de suculenta é pet friendly. Para garantir a segurança do seu bichinho, portanto, a dica é apostar nas echeverias, que tem um lindo formato de flor e não é tóxica.

Fonte: Parajis.


FONTE ORIGINAL

Mercado pet seguirá sem crise em 2021

Mercado pet seguirá sem crise em 2021

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Por que a crise parece não atingir o mercado de produtos e serviços para animais de estimação? Em 2020, ano em que a economia brasileira encolheu pelo menos 4% e diferentes atividades econômicas amargaram perdas expressivas, o setor pet teve um crescimento estimado de 13,5% em relação a 2019, com faturamento acima dos R$ 40 bilhões, de acordo o Instituto Pet Brasil. Para Nelo Marraccini, presidente-executivo do Pet Brasil, profissionalização, pioneirismo e inovação são alguns dos fatores que explicam o vigor do mercado pet brasileiro, que nunca parou de crescer e já é o terceiro maior do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

“A indústria vem se comportando de uma forma vigorosa, com lançamento frequente de produtos, benefícios e soluções para os animais e tutores. E a classe veterinária tem evoluído bastante. Percebemos um desenvolvimento de setor de forma muito alinhada. E não podemos deixar de destacar, claro, as superpets, que ajudaram a puxar o mercado para cima,” declarou Marraccini em live promovida pela Bússola nesta quarta-feira, 24 de fevereiro, sobre a expansão do setor pet no país. O webinar reuniu ainda Marcio Waldman, CEO e fundador da Petlove; Carla Alice Berl, fundadora da Rede de Hospitais Veterinários Pet Care; e Aline Prado, influenciadora digital responsável pelo perfil pet @golden.terriever, que conta as aventuras dos seus cães Golden Retriever e reúne quase 60 mil seguidores.

Na opinião dos debatedores, a mudança na relação das pessoas com os animais foi decisiva nas transformações do setor ao longo das últimas décadas. Os consumidores tornaram-se cada vez mais exigentes na busca de melhores produtos e serviços para seus bichos. E, com o isolamento social provocado pelo coronavírus, os indivíduos se aproximaram mais dos seus animais, o que ajudou a alavancar o mercado mesmo durante a pandemia.

“Quando as pessoas passaram a ficar em casa sozinhas, muitas resolveram adotar um pet. E as pessoas que já tinham animais passaram a cuidar melhor deles, por conta do tempo mais disponível em casa. O convívio mais frequente com os animais faz com que os tutores percebam melhor as condições deles e aumentem os cuidados”, afirmou o presidente-executivo do Instituto Pet Brasil. Marraccini destacou ainda o efeito da verticalização das cidades no aumento da população pet, que chega a quase 142 milhões de animais no Brasil. “A verticalização levou muitas pessoas a morarem sozinhas em apartamento e a buscarem em pets seus companheiros diários. É o grande companheiro de casais jovens sem filhos ou pessoas que moram sozinhas. São muitos fatores que impulsionam o mercado, com engrenagens que só evoluem, o que nos faz crer que é um mercado ainda em franca expansão”, disse.

Fundador e CEO da Petlove, o maior pet shop on-line do Brasil, Marcio Waldman vê uma mudança “da água para o vinho” do setor nos últimos 30 anos. Para o empreendedor, que criou o primeiro e-commerce pet do país em 1999, a transformação digital foi fundamental para a evolução do mercado e para o desenvolvimento da sua empresa. “Para além da migração do universo off para o on-line que tivemos no final dos anos 90, observamos também uma questão de humanização dos pets e aumento dos cuidados diários com os animais de estimação. Além disso, o consumidor deste setor percebeu que pode confiar em comprar seus produtos pela internet, com todos os produtos e serviços em um só lugar”, afirmou Waldman

A Petlove sintetiza dois mercados que não deixaram de crescer na crise do coronavírus: o pet e o e-commerce. Por sua natureza digital, a empresa viu suas vendas aumentarem três dígitos em relação ao projetado nos primeiros dias de pandemia. “Percebemos que talvez tivéssemos um gargalo de operação, de armazenagem e de operação importante nos próximos meses. Por isso, projetamos um novo budget para o ano e investimos para aumentar nossa capacidade logística. Passado quase um mês, voltamos a ter um crescimento de 2 dígitos de vendas, que se mantém até agora”, explicou. O executivo ressaltou ainda que a fusão com a DogHero, maior marketplace de serviços pet do Brasil, durante o período de pandemia, foi mais uma alavanca para o crescimento da empresa. “Passamos a oferecer, para além de produtos, serviços como petsitter, dogwalking e veterinários em domicílio”, completou Waldman. A Petlove fechou 2020 com mais de R$ 500 milhões de faturamento.

Fonte: Exame


FONTE ORIGINAL