Sob críticas, Moçambique cria força para proteger gás natural de jihadistas • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Este conteúdo foi publicado originalmente na VOA (Voice of Africa)

As autoridades moçambicanas acabam de criar o Comando Operacional Especial de Afungi, em Cabo Delgado, para a proteção do projeto de exploração de gás natural liquefeito contra ataques dos insurgentes. Analistas advertem que a preocupação não deve ser apenas com os recursos; as comunidades também contam.

A criação do Teatro Operacional Especial de Afungi foi anunciada pelo Comandante-Geral da Polícia moçambicana, Bernardino Rafael, afirmando tratar-se de uma decisão do Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança e Presidente da República, Filipe Nyusi, “tendo em conta o projeto de exploração da gás natural liquefeito que temos em Palma”.

Para o analista Fernando Lima, esta decisão tem uma explicação prática, “porque a companhia Total pediu para que até ao fim de março corrente, Moçambique desse uma resposta relativamente à garantia de segurança no perímetro da concessão para a construção do complexo de produção de gás natural liquefeito”.

A Total deu, inclusivamente, algumas especificações em relação aos termos de referência da força de proteção, que deveria garantir um perímetro de 25 quilômetros à volta da concessão.

VOA: Moçambique cria força para proteger gás natural de jihadistas e ouve críticas
Refugiados dos conflitos de Cabo Delgado em campo improvisado na cidade de Metuge, Moçambique, em dezembro de 2020 (Foto: Unicef/Mauricio Bisol)

Lima enquadra o anúncio do Comandante-Geral da Polícia nessa perspectiva e também na recente nomeação do novo Chefe de Estado Maior das Forças Armadas de Defesa de Moçambique e do Comandante do Exército, “que ambos têm uma grande capacidade em termos de diálogo com forças externas, militares ou civis, para discutir assuntos de natureza securitária”.

Para aquele analista, o Governo de Moçambique “tem que encontrar um equilíbrio de não só dar garantias de segurança à Total, que é um projeto de grande impacto econômico para Moçambique, mas, por outro lado, não deixar que a província de Cabo delgado seja um mar de violência à volta da concessão para a produção do gás”.

Por seu turno, o analista Raúl Domingos, diz ser necessário que as autoridades não se preocupem apenas com a proteção do projeto de gás natural liquefeito.

Defende que “tudo seja feito para que o plano para a proteção do complexo de Afungi inclua também as populações”.

FONTE ORIGINAL

Recomendado Posts

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *