Saiba mais sobre a variante sul-africana do coronavírus – Notícias

0
53

Saiba mais sobre a variante sul-africana do coronavírus – Notícias

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


A África do Sul identificou uma nova variante do novo coronavírus, que as autoridades acreditam estar causando um aumento nas infecções por covid-19 que podem sobrecarregar seu sistema de saúde.


Vários países, incluindo a Grã-Bretanha, que encontrou a variante em casos ligados à África do Sul, proibiram voos da África do Sul, interrompendo as viagens de férias e frustrando as operadoras de turismo.


O que é a nova variante?


A nova variante, conhecida como 501.V2, foi descoberta por uma rede de cientistas da África do Sul que rastreou a genética do vírus SARS-CoV-2.


A variante parece estar focada nas regiões sul e sudeste do país e tem dominado os resultados de amostras coletadas desde outubro, dizem eles.


Identificado pela primeira vez na Baía de Nelson Mandela, ao longo da costa leste da África do Sul, a nova versão do coronavírus espalhou-se rapidamente para outros distritos no Cabo Oriental e para as províncias do Cabo Ocidental e KwaZulu Natal (KZN).


Os cientistas dizem que a variante é diferente de outras que circulam na África do Sul porque tem múltiplas mutações na importante proteína “spike” que o vírus usa para infectar células humanas.


Também tem sido associada a uma maior carga viral, significando maior concentração de partículas virais no corpo dos pacientes, possivelmente contribuindo para níveis mais elevados de transmissão.


Entre 80% e 90% dos novos casos no país são portadores da variante mutante, segundo autoridades de saúde.


As preocupações são justificadas?


Todos os vírus, incluindo o que causa covid-19, mudam com o tempo, e centenas de variações desse vírus foram identificadas em todo o mundo.


Cientistas sul-africanos dizem que não há evidências claras neste estágio de que essa variante esteja associada a doenças mais graves ou piores resultados. No entanto, ele parece se espalhar mais rápido do que as iterações anteriores.


“O que aconteceu com o grande número de infecções crescendo muito rápido é que sobrecarregou muito rapidamente o sistema de saúde”, disse o professor Túlio de Oliveira, diretor da Plataforma de Sequenciamento e Pesquisa em Inovação KZN (Krisp), que ajudou a conduzir o sequenciamento do genoma da variante mutante da África do Sul. “E quando isso acontece, temos um grande pico de aumento da mortalidade.”


A taxa de positividade — ou a porcentagem de todos os testes de coronavírus realizados que são realmente positivos — era de 26% em 23 de dezembro, cerca do dobro da taxa média de infecção antes de dezembro, quando o vírus apresentava sinais de redução.


Na primeira onda de infecções, que atingiu o pico durante os meses de inverno entre junho e julho, a taxa de positividade chegou a 27%.


“A taxa de propagação é muito mais rápida do que a primeira onda e vamos ultrapassar o pico da primeira onda nos próximos dias”, disse o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, na quarta-feira.




É diferente da variante do Reino Unido?





As variantes relatadas pela África do Sul e pelo Reino Unido compartilham uma alteração comum na proteína spike que pode torná-las mais infecciosas. Mas eles são variantes diferentes, e a análise da sequência revelou que eles se originaram separadamente, disse a Organização Mundial de Saúde.


O doutor Andrew Preston, especialista em patogênese microbiana na Universidade Bath, disse: “A variante sul-africana é distinta da variante do Reino Unido, mas ambas contêm um número excepcionalmente alto de mutações em comparação com outras linhagens SARS-CoV-2.”


Vacinas para covid-19 protegerão contra a nova variante?


As autoridades sul-africanas dizem que é muito cedo para dizer se as vacinas atualmente em uso na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, ou outras vacinas contra Covid-19 em desenvolvimento, protegerão contra a nova variante.


Os desenvolvedores de vacinas, incluindo os laboratórios farmacêuticos AstraZeneca, BioNTech e Moderna, disseram esta semana que esperam que suas vacinas ainda funcionem contra a variante do Reino Unido.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui