Políticas fiscais para a retomada após a Covid-19 • A Referência

0
25

Políticas fiscais para a retomada após a Covid-19 • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Esse artigo foi originalmente publicado em maio no Blog do FMI (Fundo Monetário Internacional)

por Vítor GasparW. Raphael Lam e Mehdi Raissi, do departamento de Finanças Públicas do Fundo

As políticas fiscais têm proporcionado uma importante ajuda de emergência a pessoas e empresas durante a pandemia da Covid-19. São também essenciais para aumentar a capacidade de reação dos países a uma crise e auxiliar na retomada e mais além.

Quando o Grande Confinamento finalmente terminar, uma recuperação econômica vigorosa que beneficie a todos dependerá da melhoria das redes de proteção social e de um amplo apoio fiscal, com investimentos públicos em saúdeinfraestrutura e medidas de combate às mudanças climáticas. Países com níveis elevados de endividamento precisarão encontrar o ponto de equilíbrio entre o apoio fiscal de curto prazo para a fase de recuperação e a sustentabilidade da dívida a longo prazo.

A nova edição do relatório Fiscal Monitor pode ajudar as autoridades a decidir como investir para o futuro de uma forma prudente para as finanças públicas, adotar políticas discricionárias bem planejadas para estimular a demanda e reforçar as redes de proteção social e o auxílio aos desempregados.

Trabalhador informal indiano transporta alimentos nas ruas de Mumbai, em abril de 2016 (Foto: Flickr/Hachim Pi)

Reforçar as redes de proteção social para as pessoas

pandemia mostrou como as pessoas são vulneráveis e serviu como um alerta de que é preciso agir.

Em resposta, os países concederam auxílio temporário aos desempregados e ampliaram as redes de proteção social em graus variados. Por exemplo, os Estados Unidos aprovaram leis para oferecer um socorro temporário maior para enfrentar a pandemia de Covid-19 em comparação com a Europa, em parte porque sua rede de proteção social é tradicionalmente menor.

Embora parte desse socorro temporário tenha um prazo de duração, transformar parte dessas disposições em medidas permanentes e atualizar os sistemas de benefícios fiscais também poderia estabilizar automaticamente a renda das pessoas em episódios de epidemia e crise no futuro.

Mas quais são os atributos de uma boa rede de proteção social? Estes são os três mais importantes:

  • Primeiro, proporcionar ampla cobertura e benefícios suficientes aos grupos vulneráveis de forma progressiva — ou seja, benefícios mais generosos para os mais pobres.
  • Segundo, preservar os incentivos ao trabalho e ajudar os beneficiários a buscar emprego, obter assistência médica e encontrar formação e capacitação.
  • Terceiro, tentar evitar uma teia fragmentada e complexa de programas de proteção social que acabe gerando um custo administrativo mais alto e não beneficie as pessoas de forma justa e coerente.

Com base nesses critérios, os governos das economias avançadas podem aperfeiçoar as redes de proteção social ao incluir mais pessoas nos programas existentes e melhorar o impacto dos benefícios sobre a vida das pessoas.

Nos países em desenvolvimento e de mercados emergentes, os governos podem preencher lacunas na cobertura ao ampliar os programas existentes e empregar outros meios de prestação de serviços. Dois exemplos são as redes de telefonia móvel e o fornecimento de bens e serviços em espécie — sobretudo nas áreas da saúde, alimentação e transportes — para alcançar as pessoas mais necessitadas ou que atualmente não são atendidas.

ARTIGO: Políticas fiscais para a retomada após a Covid-19
Trabalhador em obra de estação de tratamento de água em Sinaloa, México (Foto: Wikimedia Commons)

As redes de proteção social podem resultar em uma melhor redistribuição se uma parcela maior dos 20% mais pobres da população receber mais benefícios em relação aos 20% mais ricos.

Planejar políticas discricionárias

Para ajudar as empresas a readmitir trabalhadores após a pandemia, os governos poderiam planejar cortes temporários na tributação da folha de pagamento para incentivar as empresas a contratar. Para fazer com que as pessoas gastem, poderiam ser usadas reduções nos impostos de valor agregado por um prazo definido ou instrumentos como vales-consumo. Os projetos de investimento de menor porte podem ser acelerados.

De maneira mais geral, os países poderiam aprovar antecipadamente no legislativo medidas a serem acionadas automaticamente em períodos de retração, como alguns benefícios sociais e isenções fiscais. Isso permitiria que as pessoas recebessem mais rapidamente o apoio fiscal tão necessário. Ao mesmo tempo, o alcance do apoio depende da capacidade de cada país de financiar essas medidas.

Investir para o futuro

São necessários investimentos públicos de qualidade nos sistemas de saúde para proteger as pessoas e minimizar os riscos de futuras epidemias. Outras prioridades são a infraestrutura, as tecnologias verdes, como as energias eólica e solar, e os avanços nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em setores como a educação e o acesso a saneamento e água potável. As necessidades de investimento adicional nos próximos 20 anos devem ultrapassar US$ 20 trilhões em todo o mundo, a preços atuais.

Considerando o longo tempo necessário para a execução de projetos de capital, como estradas, pontes e energia limpa, os governos devem começar agora a rever os projetos de investimento em perspectiva. Isso lhes dará tempo para resolver gargalos e preparar um conjunto de projetos prontos para serem implementados assim que o Grande Confinamento terminar.

As decisões – por exemplo, sobre até que ponto aumentar ou não os investimentos públicos de qualidade – dependerão das necessidades em setores específicos e de seus benefícios econômicos e sociais, da capacidade de financiamento e da eficiência do investimento público. Este último ponto é crucial para todos os países, porque um terço dos recursos destinados à infraestrutura pública é perdido em todo o mundo por causa da ineficiência e da corrupção.

No caso das economias avançadas com amplo espaço no orçamento, como a Alemanha e os Países Baixos, gastar mais em investimentos públicos vale a pena, pois o valor dos ativos resultantes provavelmente será superior às obrigações geradas, em vista dos juros baixos. Isso, por sua vez, aumenta o patrimônio líquido do setor público. Já no caso de países com margem de manobra reduzida em termos de gastos, como a Itália e a Espanha, é possível redirecionar receitas e despesas para aumentar o investimento.

ARTIGO: Políticas fiscais para a retomada após a Covid-19
Mulheres se preparam para começar a trabalhar um terreno em Ngozi, no Burundi (Foto: UN Photo)

Nas economias em desenvolvimento e de mercados emergentes como o Brasil e a África do Sul, a dívida elevada e o aumento dos pagamentos de juros exigem que o desenvolvimento seja financiado de forma prudente e sustentável. Esses países devem procurar fazer mais com menos. Aumentar as receitas tributárias no longo prazo seria crucial para países em desenvolvimento de baixa renda, como a Nigéria.

Administrar um peso maior da dívida pública

Apoiar a retomada da economia com ferramentas fiscais e, ao mesmo tempo, administrar níveis mais elevados de dívida pública é um delicado exercício de equilíbrio. A pandemia e suas consequências econômicas, bem como as políticas adotadas para combatê-las, vêm contribuindo para um forte aumento dos déficits fiscais e dos índices de endividamento público.

Com a contenção da pandemia e a retomada econômica, o endividamento público deve se estabilizar, embora em níveis mais altos. Se a recuperação demorar mais do que o esperado, a dinâmica da dívida pode ser mais desfavorável. À medida que a pandemia for controlada, os países podem apoiar a retomada de suas economias já pensando em promover planos de reforma de médio prazo dignos de credibilidade.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui