‘Janeiro Branco’: Campanha destaca a importância da saúde mental – Notícias

0
40

‘Janeiro Branco’: Campanha destaca a importância da saúde mental – Notícias

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:


Falar de psicanálise e psicoterapia no Brasil é quase tocar em uma linguagem desconhecida para grande parte da população. Em 2016, por exemplo, apenas 2% da população fazia algum tratamento de psicoterapia, segundo o Market Analysis. No entanto, questões como depressão e ansiedade têm sido cada vez mais abordadas, conduzindo o debate para a importância da saúde mental.


Veja também: Maior escola pública de surfe adaptado do país retoma as aulas em Santos (SP)


Pronto. Uma parte do caminho foi completada. Por meio de entrevistas, artigos em sites e na mídia em geral, a convicção de que a saúde mental é determinante na vida de cada um se firma cada vez mais. Por outro lado, as iniciativas reais, para que o ditado “mente sã, corpo são” se implemente na prática na vida das pessoas, ainda estão longe de serem suficientes.


Preocupado em dar ainda maior visibilidade ao tema, o psicólogo Leonardo Abrahão Pires Rezende, de Uberada (MG), idealizou o “Janeiro Branco”, que, assim como campanhas do tipo “Outubro Rosa” e “Novembro Azul”, é voltado a um tema específico, no caso a saúde mental. Em janeiro de 2021, a iniciativa entra em sua 8ª edição.


Neste período de pandemia, a preocupação se tornou redobrada, segundo a organização do evento, cujo objetivo é inspirar indivíduos e instituições sociais a participarem de um grande pacto universal em defesa da saúde mental da humanidade.


“A humanidade precisa de um pacto pela saúde mental em que todas as pessoas se comprometam com a ideia de que ‘todo cuidado conta!’ quando o objetivo é a criação de condições para vidas mais saudáveis e melhores para todo mundo”, endossa Abrahão.


Para o psicólogo, a baixa adesão da população brasileira a tratamentos que visam os cuidados com a saúde mental fazem parte de um amplo contexto que não tem a ver somente com os altos custos.


“Os serviços de saúde mental são caros ou a população brasileira é uma das mais desiguais e injustas do planeta?”, indaga Abrahão. Ele mesmo dá uma resposta.


“Enxergo três problemas que podem estar na origem da explicação para o baixo número de pessoas que buscam ajuda profissional em saúde mental no Brasil: a) a falta de uma cultura da Saúde Mental na nossa sociedade; b) a imensa desigualdade social que nos caracteriza, fato que torna impossível, a milhões de pessoas, a possibilidade de realizar investimentos em serviços de saúde mental; c) a falta de políticas públicas, sistemáticas e consistentes, em relação a melhorias na rede de atenção psicossocial, na RAPS (Rede de Atenção Psicossocial) e nos CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) no nosso país”.


O “Janeiro Branco” terá o trabalho de voluntários, que irão promover uma série de ações, como lives, entrevistas, interações por videoconferências, palestras online e atividades presenciais seguindo rígidos protocolos em função da pandemia, visando abordar questões relativas à saúde mental, tirando dúvidas e divulgando informações.


Diferenças de tratamento


Há diferenças entre psicanálise e psicoterapia. A Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) afirma que a psicoterapia, feita por meio do vínculo entre o paciente e o psicoterapeuta, é moldada em “valores e as habilidades de congruência, empatia e consideração positiva pelo cliente e suas lutas, pontos fortes e fraquezas.” 


O psicoterapeuta, neste tratamento, “aproveita o poder de um relacionamento genuíno para facilitar a tendência natural do cliente em direção ao crescimento e desenvolvimento”.


Neste sentido, o vínculo pode estar direcionado à resolução de uma questão ou sofrimento pontual, cotidiano, de uma maneira em que haja a participação do terapeuta como uma referência no processo de superação do problema.


Já a psicanálise, moldada na teoria de Sigmund Freud (1856-1939), se aprofuda em questões do inconsciente, para que, com uma participação mais neutra do analista, o próprio paciente vá conhecendo, em um tratamento mais prolongado, os seus desejos e as suas próprias resistências em superar seus maiores traumas ou dificuldades emocionais.


Descubra os alimentos que ajudam na prevenção do câncer de próstata



FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui