Início ECONOMIA Guedes assegura a empresários que eventuais distorções da reforma tributária serão corrigidas, diz fonte à Reuters

Guedes assegura a empresários que eventuais distorções da reforma tributária serão corrigidas, diz fonte à Reuters

por Reuters
10 Já viram


BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, assegurou em almoço com empresários na quinta-feira que eventuais distorções da reforma tributária — encaminhada recentemente pelo governo ao Congresso Nacional — serão corrigidas, segundo uma fonte relatou à Reuters.

No encontro, realizado na casa de João Camargo, administrador do grupo Esfera Brasil, Guedes reconheceu que a Receita Federal teria pesado a mão ao preparar a proposta, o que levou a um erro de dosimetria nas mudanças e também trazendo críticas do mercado, conforme a fonte, que pediu anonimato.

Ainda assim, o ministro da Economia reafirmou sua defesa de se introduzir a tributação sobre dividendos pagos a investidores.

Guedes disse que, conforme a Organização para a Cooperação do Desenvolvimento (OCDE), o imposto de renda sobre pessoa jurídica é tributado de 20% a 40%, igual margem de percentual para o IR de dividendos. Segundo ele, se as duas alíquotas ficarem em 20%, vai se chegar a um bom resultado, conforme a fonte.

Na reunião, segundo a fonte, o ministro admitiu que vai reformular a tributação dos fundos imobiliários. Atualmente eles são isentos e o texto enviado ao Congresso prevê uma tributação de 15%.

Os presentes ao encontro ficaram de enviar sugestões concretas de mudanças nos próximos dias, conforme a fonte. A avaliação é que o setor está unido em torno das demandas.

Entre os nomes que participaram do encontro, segundo o ministério, estão André Esteves, do BTG; Benjamin Steinbruch, presidente da CSN; Jean Jereissati, presidente da Ambev; Luiz Carlos Trabuco, presidente do Conselho de Administração do Bradesco; e Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração da Magazine Luiza.

Na quarta-feira, mais de 100 associações empresariais e entidades assinaram carta direcionada ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), criticando o que chamaram de pressa na tramitação da reforma tributária, rechaçando pontos da proposta do governo e argumentando que o projeto desestimula a atração do investimento produtivo, prejudica a geração de empregos e dificulta o crescimento econômico.

Os signatários da carta criticaram o fim do desconto simplificado na declaração do Imposto de Renda Pessoa Física, defendendo que os recursos que o governo deixará de perder deveriam vir de redução dos gastos públicos –o que, para as entidades, aumenta a urgência da reforma administrativa.

Procurado, o Ministério da Economia não respondeu imediatamente a pedidos de comentário.


Esse conteúdo pertence ao site:

Site: www.infomoney.com.br

Para qualquer dúvida, sugestão, reclamação ou denúncias, envie um e-mail para:

contato@imoveweb.com.br

FONTE ORIGINAL

Olha essas aqui:

Deixe um Comentário

O Site iMove Web é um AGREGADOR DE CONTEÚDOS, onde buscamos por fontes seguras que permite em seus sites, o formato: RSS/FEED, como se trata de conteúdo de terceiros, prezamos por isso, e informamos no final de cada post a REAL FONTE do post, e ainda todos os posts aqui publicados, são mantidos na integra de cada autor, sem alterar um paragrafo ou link inserido na postagem, todos direitos de imagem, textos e vídeos são atribuídos ao autor original. Somos contra FAKE NEWS, caso você leitor, se depare aqui com alguma notícia FALSA ou ENGANOSA, por favor nos envie um e-mail denunciando esse post. E-mail: contato@imoveweb.com.br FECHAR

SOBRE NÓS