Fusão nuclear pode ser uma realidade em cinco anos

0
8

Fusão nuclear pode ser uma realidade em cinco anos

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

“Acreditamos que vai funcionar.” Essa frase, do vice-diretor do Centro de Fusão e Ciência de Plasma do Massachusets Institute of Technology, o físico de plasma Martin Greenwald, resume os sete artigos de pesquisadores de 12 instituições, publicados em uma edição especial do Journal of Plasma Physics, revelando a física por trás do reator de fusão nuclear SPARC, desenvolvido pelo MIT em parceria com a empresa Commonwealth Fusion Systems.

Há quase um século, cientistas tentam repetir a forma eficiente com que o Sol produz energia (fundindo um núcleo de deutério e um de trítio, produzindo átomos de hélio); a conclusão sempre foi a de que o poder de fundir átomos estaria sempre a décadas de distância.

O SPARC vem substituir o Alcator C-Mod, também do MIT (um experimento em escala menor e semelhante a outros existentes), mas com poder de fusão duas vezes maior, equiparando-se ao tokamak International Thermonuclear Experimental Reactor (ITER), que está sendo construído por um consórcio internacional na França – o reator americano, porém, tem apenas 1/5 do tamanho do europeu.

Tokamak é uma transliteração de uma expressão russa que significa “câmara toroidal com bobinas magnéticas” – uma câmara em forma de rosca dentro da qual ocorre a reação de fusão. A nuvem de plasma formada é mais quente que o Sol, e por isso ela precisa ser confinada por forças magnéticas, geradas por gigantescas bobinas eletromagnéticas resfriadas por hélio líquido.

Renderização do SPARC, um tokamak compacto para criar e confinar plasma e produzir energia de fusão líquida.Fonte:  CFS/MIT-PSFC/T. Henderson 

Os pesquisadores e técnicos do projeto SPARC estão trabalhando, desde seu lançamento, em 2018, no desenvolvimento de ímãs supercondutores que permitissem o uso de sistemas de fusão em reatores menores. A física aplicada teve que ser refinada, e ainda há muito a se pesquisar.

“O SPARC tira proveito de uma nova tecnologia de eletroímã que usa os chamados supercondutores de alta temperatura, capazes de produzir um campo magnético muito mais potente. Como resultado, o plasma gerado é menor. Se pudermos superar os desafios de engenharia, esta máquina terá o desempenho previsto”, disse Greenwald.

A Commonwealth Fusion já anunciou que divulgará o local onde o SPARC será alocado em alguns meses. Segundo o grupo de trabalho, o dispositivo entrará em testes no início do ano que vem, e espera-se que, até 2025, o reator esteja produzindo até dez vezes mais energia do que consome.

Pelos planos do consórcio, uma usina geradora de eletricidade a fusão nuclear estaria em pleno funcionamento na próxima década (o ITER, em construção desde 2013, deve começar a produzir reações de fusão em 2035).

Aquecimento global

“O objetivo do SPARC é desenvolvermos a fusão nuclear a tempo de ajudar o combate ao aquecimento global. Estamos realmente concentrados em obter a energia de fusão o mais rapidamente possível”, disse um dos fundadores da Commonwealth Fusion, o físico nuclear Bob Mumgaard.

A fusão nuclear é um processo que implica unir átomos leves através de temperaturas de dezenas de milhões de graus, liberando energia – um processo que pode ser a resposta para a crise do clima provocada por um mundo que ainda depende da queima de combustíveis fósseis.

Seu combustível é o hidrogênio, mais abundante que o urânio usado em usinas de fissão nuclear (que geram mais radioatividade de resíduos). O desafio, porém, é construir um reator que seja capaz não apenas de criar, mas de controlar o plasma de fusão, uma nuvem de átomos tão ou mais quente que uma estrela.

https://www.youtube.com/watch?v=RLI6QW2x4Lg

FONTE ORIGINAL

0 0 vote
Deixa sua avaliação aqui
Comentários
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários