Especialistas alertam para os riscos do primeiro verão da pandemia no Rio

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O verão começa oficialmente às 7h02 desta segunda-feira, e a estação que é a cara do Rio encontrará um cenário completamente diferente dos anteriores. Apesar da previsão de uma estação típica, com dias longos e quentes, como prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os próximos três meses marcam o verão da pandemia, com o fim da estação quase no mesmo dia em que se completa um ano da primeira morte por Covid-19 no estado. No último domingo da primavera, com termômetros na casa dos 38 graus, a cidade já teve um prenúncio de como deve ser o verão: além do calor, praias cheias, nenhum distanciamento nas areias, banhistas sem máscara e ausência de fiscalização.

O epidemiologista Roberto Medronho, professor da UFRJ que lidera estudos sobre a Covid-19, destaca que é a primeira vez em que o Rio irá encarar a Covid-19 no verão, época em que, com o calor, cariocas não costumam ficar em casa. Em nota técnica, ele e outros cientistas sugeriram nova proibição à permanência nas praias:

— Num período de festas de fim de ano, onde se fala tanto em fraternidade e solidariedade, a melhor forma de mostrarmos esses valores é ficando em casa. Tenho visto com muita preocupação famílias promovendo festas, pacotes de réveillon sendo vendidos em clubes.

Medronho compara o momento atual ao enfrentado na Europa durante a mesma estação, quando surgiu a segunda onda por lá. O epidemiologista diz ver muitas semelhanças entre os cenários:

— Estamos iniciando o verão, e, infelizmente, o que prevíamos está acontecendo: as pessoas estão se juntando em praias, bares, restaurantes e festas. Foi exatamente assim que a segunda onda chegou à Europa.

Por fim, o epidemiologista alerta para o risco de alto contágio numa situação como a de uma praia lotada.

— Se houver uma pessoa ali na faixa de areia com coronavírus, ela certamente contaminará todas as outras que estiverem ao seu redor, num perímetro de dois metros. Se a pessoa estiver falando alto ou cantando, como acontece também nas baladas, esse perímetro aumenta muito ainda. Infelizmente, essa virose não tem característica sazonal, a transmissibilidade é elevadíssima, independente da estação.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *