Burkina Faso, Iêmen e partes da Nigéria encerram 2020 à beira da fome • A Referência

0
15

Burkina Faso, Iêmen e partes da Nigéria encerram 2020 à beira da fome • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Em 2020, Burkina Faso, Iêmen e o nordeste da Nigéria chegaram perto da fome generalizada. Na sequência, vem o Sudão do Sul, onde conflitos entre comunidades e enchentes debilitaram a capacidade da população de conseguir alimentos básicos.

O dado, compilado pela revista “The New Humanitarian“, elencou as situações mais graves de insegurança alimentar em todo o mundo. Foi usado como base o guia mais recente do PMA (Programa Mundial de Alimentos) e da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura).

Já são 13,5 milhões de iemenitas passando fome com frequência. Entre os motivos, a guerra civil que desde 2015 castiga o país, acompanhada de inflação e colapso cambial.

Criança iemenita carrega água potável em meio a escombros da cidade de Áden, no Iêmen, em abril de 2020 (Foto: Unicef)

Já a população de Burkina Faso, no Sahel africano, é punida pelos conflitos entre o governo e grupos jihadistas que tomaram a porção desértica ao norte do país. Operam na região militantes ligados à Al-Qaeda e ao EI (Estado Islâmico).

No país, 2020 foi o ano onde a demanda por ajuda humanitária triplicou: hoje, são 3,2 milhões sem acesso a produtos básicos para alimentação e higiene. Os vizinhos Mali e Mauritânia também sofrem com a escalada de violência e empobrecimento da população.

A jihad também é culpada pelo aumento exponencial da pobreza no nordeste da Nigéria. Por ali, o Boko Haram, ligado ao EI, é o maior responsável por deixar quase um milhão de pessoas sem acesso a nenhum tipo de auxílio de organizações multilaterais ou de direitos humanos.

Sem guerras, Zimbábue e Venezuela convivem com casos persistentes de hiperinflação que levaram a um quase colapso alimentar. Para este ano, estimativas indicam alta de preços de 319% nos bolsos zimbabuanos e mais da metade da população sem acesso à alimentação adequada e constante.

Em Caracas, os dados confiáveis mais recentes indicam que o índice superou 130.000% em 2018 e 9.586% em 2019 – neste ano, a conta é de em média 2.000% mensais.

Em todos os casos, a pandemia do novo coronavírus evidenciou um misto de má gestão econômica, conflito, autoritarismo e desastres naturais. Também dificultou a chegada de recursos por meio de remessas vindas de expatriados, uma das principais fontes de renda de todos os países em crise alimentar grave.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui