6 Coisas que você deve considerar ao comprar água engarrafada

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

De acordo com estimativas científicas, 60% do corpo humano é composto por água, presente em grandes quantidades em órgãos como o cérebro e os pulmões. Daí a importância da hidratação constante. Muitas pessoas decidem gastar dinheiro com água engarrafada por comodidade, qualidade e pureza, entre outros aspectos. Mas existem alguns detalhes que passam despercebidos. E é importante estar atento, pois essas questões podem fazer a diferença tanto para o seu organismo como para o Meio Ambiente.

O Incrível.club não quer desperdiçar nem uma gota de conhecimento e encontrou informações-chave sobre esse tema. Mergulhe neste post e descubra o que deve saber antes de comprar água engarrafada.

1. Verifique se o tipo de embalagem da garrafa é adequado

Provavelmente você já ouviu falar que a maioria das garrafas plásticas é feita de PET, uma sigla em inglês para identificar o polietileno tereftalato. Esse material se tornou o preferido das indústrias para engarrafar bebidas por ser leve, resistente e poder ser reciclado após o uso mediante processos químicos. De acordo com o padrão de identificação de resina aprovado pela American Society for Testing and Materials (Sociedade Americana para Testes e Materiais), as garrafas de água feitas com polietileno tereftalato são identificadas por um símbolo com um número 1 no interior de um triângulo equilátero com a sigla PET. Ao comprar água engarrafada, verifique se ela possui esse símbolo.

A garrafa PET também pode ter como logotipo um triângulo formado por setas, semelhante ao símbolo da reciclagem. Mas a entidade americana enfatiza que esse padrão não é um código de reciclagem.

2. Verifique a composição e o “sabor” da água

Se você é uma daquelas pessoas que aprenderam na escola que a água é um líquido incolor, inodoro e insípido, talvez precise saber que essa última característica não é totalmente verdadeira. Uma das principais razões que levam as pessoas a optar por consumir água engarrafada é seu sabor, que está relacionado a uma melhor qualidade. E quão certa pode ser essa relação?

Os pesquisadores descobriram que alguns minerais influenciam na percepção do sabor da água mineral engarrafada. O cálcio e o magnésio são considerados agradáveis ao paladar; já o sódio e o bicarbonato podem ter um impacto negativo na percepção dos consumidores. Esse estudo recomenda uma adequação dos níveis de minerais para trazer benefícios à água engarrafada.

Já uma análise da Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere que a prioridade na distribuição de água potável deve ser o fato de conter padrões aceitáveis para o consumo. Mas a própria entidade reconhece a existência de componentes que não influenciam na saúde do ser humano, mas são percebidos de forma desagradável. No final das contas, a questão do sabor exigirá uma pesquisa profunda que até o momento não existe.

3. Evite conservar a garrafa de água em altas temperaturas

Imagine que é verão e o sol brilha com intensidade. Você compra uma garrafa de água, toma um gole e guarda o restante para a próxima vez que sentir sede, certo? Errado! Nessas condições, é preciso ter cuidado, porque as altas temperaturas podem liberar substâncias químicas indesejadas.

Uma pesquisa realizada por integrantes da Universidade Estadual do Arizona, nos EUA, descobriu que, se uma garrafa PET com água for armazenada em altas temperaturas e em lugares fechados, como um carro ou uma garagem, o recipiente libera antimônio. Ainda que o nível de concentração da substância na água observado no estudo tenha sido baixo, é provável que o consumo constante nessas condições produza reações adversas em seu organismo.

Se você decidir aplacar o calor com água engarrafada, procure não a deixar exposta por muito tempo a altas temperaturas e evite locais fechados.

4. Evite reutilizar a garrafa

As garrafinhas são, na grande maioria dos casos, descartáveis — embora possam ser, depois, recicladas. No entanto, algumas pessoas não sabem disso e optam por reutilizá-las, o que pode levar a uma maior exposição às bactérias. Vale lembrar, ainda, que o mesmo risco existe para as garrafinhas e caramanholas (squeeze) não descartáveis, como aquelas usadas por ciclistas e por muitas pessoas que trabalham em escritório.

Um estudo realizado com garrafas reutilizáveis ​​de crianças do ensino fundamental no Canadá descobriu que aproximadamente dois terços dessas garrafas excediam os limites de bactérias toleráveis para humanos. Em alguns casos, os recipientes não eram lavados há meses.

Para evitar problemas causados ​​por bactérias, após o uso, descarte a garrafinha plástica, sempre de forma responsável. Por outro lado, se você possui uma garrafa de uso frequente, o recomendado é conferir seu estado e limpá-la bem após o uso.

5. Colabore com a reciclagem

Organizações alertam que, a cada minuto, um milhão de garrafas plásticas são compradas no mundo e 70% ou mais de todos os resíduos plásticos acabam na natureza ou em aterros sanitários. Segundo estatísticas da associação ECOCE, a Alemanha, a China, a União Europeia e o México são as regiões que mais reciclam. A garrafa PET, quando descartada corretamente, é submetida, nos centros de reciclagem, a um processo rigoroso no qual a embalagem é limpa, triturada e é criado um material chamado pellet, usado como matéria-prima para diversos produtos.

No México, recomenda-se amassar a garrafa ao terminar de beber e fechá-la com tampa, para que possa ser reciclada e reutilizada. Mas, caso você ainda tenha dúvida, recomendamos que entre em contato com instituições que apoiam a reciclagem e não descarte o recipiente de qualquer maneira.

6. Analise se é realmente necessário comprar água engarrafada

Se você é um consumidor regular de água engarrafada, já pensou alguma vez em quanto gasta por mês ou ano com esse produto? Embora possa parecer pouco, esse é um gasto que pode repercutir na economia doméstica. Se a água encanada em sua região é de boa qualidade, por que gastar?

No México, uma pesquisa governamental realizada em 2017 revelou que cada família gastou, em média, 52 pesos (aproximadamente 2,50 dólares) por semana com o consumo de água engarrafada. No mesmo período, o gasto com o uso da água da rede pública foi de 41 pesos (aproximadamente 2 dólares). São apenas 50 centavos de dólar por semana. Mas, no longo prazo, essa pequena diferença pode ser transformar em um belo montante.

Se você deseja evitar gastos e consumir água potável de melhor qualidade, a Organização Mundial da Saúde sugere purificar a água de um jeito bem simples. Basta ferver a quantidade desejada durante 10 minutos, esfriá-la e conservá-la em recipientes perfeitamente limpos.

Esses conselhos podem ajudá-lo a consumir adequadamente água engarrafada. E você, qual é a quantidade de água que consome diariamente?

FONTE ORIGINAL

Recomendado Posts

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *