Mentiras contra cristãos alimentam a perseguição religiosa em todo o mundo, diz pastor

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O pastor Ron Boyd-MacMillan, diretor de pesquisa estratégica da Portas Abertas Internacional, afirma no artigo “9 mentiras que alimentam a perseguição cristã”, de sua autoria, que mentiras contra os cristãos promovem a perseguição religiosa em todo o mundo.

A Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas para 2021 foi publicada esta semana, mostrando que um em cada oito cristãos em todo o mundo, ou 340 milhões de pessoas, sofre níveis muito altos de perseguição e discriminação.

Boyd-MacMillan diz que, biblicamente, a maioria das pessoas vê o início da perseguição no livro de Atos, onde, no capítulo 8: 1, lemos: “Naquele dia eclodiu uma grande perseguição contra a igreja …” Mas na verdade começa em Atos 6:11, quando um grupo da sinagoga de Jerusalém espalhou uma mentira sobre um diácono chamado Estevão, alegando que ele “havia blasfemado contra o templo e a lei”.

Ele não tinha feito nada parecido. Tudo o que ele fez foi criticar a crença de que o templo era a única habitação de Deus e todos que iam a ele eram salvos. Estêvão se tornou o primeiro mártir cristão e, como resultado, uma grande perseguição estourou contra a igreja em Jerusalém.

Em nossa época não é diferente. Cristãos em todo o mundo são vítimas de campanhas movidas por mentiras. Em muitos lugares, essas mentiras levam a severas perseguições.

Mentiras que promovem perseguição

Boyd-MacMillan cita as grandes mentiras que impulsionam a perseguição aos cristãos hoje.

Ele diz que em algumas partes do Oriente Médio, uma das mentiras que floresce é: “O Cristianismo é uma religião estrangeira, um cavalo de Troia para as forças pró-Israel e pró-americanas”.

Em países como o Egito, os líderes cristãos sentem que é necessário ser mais enérgico em sua condenação de Israel e dos Estados Unidos, porque, como disse um bispo copta: “Do contrário, pensarão que somos antimuçulmanos”.

No Iraque, costuma-se dizer que os cristãos “só querem levar o petróleo”. No Irã, as pessoas dizem que os cristãos são “as ferramentas do Grande Satã, os EUA”.

Na África Subsaariana, a maioria dos cristãos é assassinada por causa de sua fé todos os anos devido a uma série de movimentos extremistas islâmicos violentos, como Boko Haram e Al Shabaab. Eles motivam suas turbas e assassinos com mentiras como: “Os cristãos trouxeram Covid para matar muçulmanos” ou “os cristãos só querem roubar nossa terra”. Essas mentiras matam.

Dos 4.761 cristãos mortos por sua fé no mundo no ano passado, 91 por cento vieram desta região, e isso representa um aumento de 60 por cento em relação ao ano passado.

No subcontinente asiático, uma mentira muito comum é que “o cristianismo só cresce por meio de conversões antiéticas ou forçadas e quer dominar nossos países às escondidas”.

Este é o clamor dos extremistas hindus na Índia e dos nacionalistas budistas no Sri Lanka. Mas o fato é que é o crescimento do cristianismo entre os segmentos mais pobres da população que ameaça a agenda extremista.

Na Índia, por exemplo, mais de 60 por cento da população cristã veio da chamada comunidade “Dalit” – a casta inferior e os ‘intocáveis’, que devem fazer os trabalhos sujos na sociedade que os grupos de casta alta não podem fazer, para que não todo o sistema entra em colapso.

É mais fácil alegar que esses grupos foram tentados a se afastar “sem ética” do que admitir que uma religião rival fortalece e cuida melhor dos pobres. Outras mentiras dizem que “os cristãos querem se livrar de todos os hindus”.

Mentiras no comunismo

Naqueles países onde a ideologia marxista ainda persiste, como China e Coreia do Norte (este último país é o número um na Lista Mundial pelo vigésimo ano consecutivo), a mentira é esta: “Cristianismo é para fracos que não podem enfrentar o mundo em seus próprios termos e quem precisa de muletas de ilusão para sobreviver.”

Além disso, na China, o governo diz: “Os cristãos representam uma religião estrangeira que quer interferir nos assuntos da China.” Isso não faz sentido. O cristianismo chegou à China em 635 d.C., muito tempo antes de outra ideia estrangeira – o marxismo – chegar no final do século 19.

Mentiras no Ocidente

Mesmo no Ocidente, existe uma mentira que: “O Cristianismo é intolerante, anticientífico e é melhor mantê-lo completamente fora da vida pública”.

Essa visão é mais frequentemente perpetrada por uma elite secularista, cuja preocupação é que o Cristianismo acarrete uma crença sub-racional em categorias absolutas, resultando em um preconceito antiliberal que é subversivo da natureza essencial da democracia.

Mentiras contra a Igreja

Boyd-MacMillan questiona: “Que mentira está ameaçando marginalizar a igreja onde você está? É muito importante nomeá-la, confrontá-la, refutá-la, para que não se torne uma perseguição completa.”

O pastor diz que a igreja perseguida pode nos ensinar duas coisas maravilhosas sobre como enfrentar mentiras. Primeiro, essas mentiras só são ditas quando os inimigos são ameaçados pelo crescimento cristão. Como disse um pastor chinês: “Quando eles mentem sobre nós, consideramos como o maior elogio, que eles tiveram que recorrer a essas táticas para tornar a vida mais difícil para nós – sabemos que eles estão com medo de que a igreja cresça para quase 100 milhões.”

“Certifique-se de que o mundo está dizendo mentiras sobre você … sua vida como um crente deve parecer uma ameaça para eles”, acrescentou.

Em segundo lugar, Deus transforma as mentiras de nossos inimigos em nosso amor por eles. Estevão faz um discurso forte, mas ele morreu sob as pedras de seus assassinos com uma visão da glória de Deus e do perdão em sua língua: “Senhor, não os culpes por este pecado”.

“Estamos chegando ao 22º aniversário do assassinato horrível de um missionário cristão australiano na Índia, queimado vivo com seus dois filhos no dia 22 de janeiro de 1999 por uma multidão enlouquecida”, lembra. “Tudo o que ele fez foi ajudar pessoas que sofrem de lepra, mas extremistas hindus espalharam a mentira de que ele havia convertido hindus à força.”

O pastor diz que a nação indiana estava em convulsão, mas sua viúva de luto, Gladys, apareceu na televisão nacional e perdoou seus assassinos com estas palavras memoráveis: “Vamos queimar o ódio … e espalhar as chamas do amor de Cristo.”

Como disse um evangelista indiano: “Ela fez mais para espalhar o Evangelho na Índia com uma frase do que a maioria de nós conseguiu em cem anos”.

“A perseguição – e as mentiras que a impulsionam – é uma dinâmica esquecida de crescimento na igreja hoje. Vamos ouvir os perseguidos e trilhar o caminho dos conquistadores!”, diz o diretor da Portas Abertas.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *