Igrejas do Reino Unido fazem ‘cultos subterrâneos’ devido a restrições do governo

0
45

Igrejas do Reino Unido fazem ‘cultos subterrâneos’ devido a restrições do governo

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Celeiros, cafés e livrarias são os locais onde os fiéis estão se reunindo para ‘cultos ilegais’ no Reino Unido. Os convites são transmitidos oralmente a pessoas de confiança. Informações mínimas são passadas com pedidos de discrição. Depois que todos estão reunidos em um celeiro em uma fazenda remota – “longe de olhares indiscretos”, diz o organizador – tudo começa.

O culto fechado é organizado por um pastor protestante. Os cristãos que se reunem ‘ilegalmente’ no oeste da Inglaterra na manhã de domingo – como fizeram nos últimos dois finais de semana – irão orar, ler as Escrituras, cantar hinos e ouvir uma pregação.

“Temos realizado cultos clandestinos desde que este bloqueio começou”, disse o pastor ao Observer, sob condição de anonimato. “É estranho para nós agirmos dessa forma. As pessoas disseram que se parece mais com uma igreja subterrânea na China.

No atual segundo bloqueio nacional, os cultos comunitários estão proibidos por lei e as igrejas podem abrir apenas para orações individuais. A lei foi aprovada no Parlamento no início de novembro por uma votação de 516 votos a favor.

“O fato de termos que nos esgueirar para adorar a Deus, com medo de um processo criminal, é alarmante. Mas fazemos o que temos que fazer”, continuou ele.

O ministro acrescentou: “Como cristãos, queremos ser os melhores cidadãos que pudermos. Não queremos ser desobedientes, mas estamos sendo forçados a uma posição em que devemos seguir nossas convicções religiosas ou ir contra nossas consciências e crenças e nos submeter ao estado. Essa é a situação em que nos encontramos.”

Líderes religiosos

O Observer escreveu que, ao falar para vários líderes religiosos em todo o país, “um número crescente de congregações está infringindo a lei para adorar juntas, uma atividade proibida pelas restrições atuais”.

Em 15 de novembro, a polícia interrompeu um culto no norte de Londres, realizado pelo pastor evangélico Regan King, afirmando que o evento era uma violação da lei. King havia dito anteriormente à rádio nacional que “Nossa prioridade é nosso temor de Deus … Servimos a uma lei maior”.

De acordo com o Observer, King planeja continuar a realizar outros serviços, acrescentando que seu exemplo público em defesa da liberdade religiosa inspirou muitos outros a contatá-lo, com um grande número que estava ignorando a proibição estatal de cerimônias religiosas.

A polícia interveio na igreja Angel no norte de Londres em 15 de novembro de 2020. (Foto: Neil Hall / EPA)

Andrew, outro pastor de Londres, disse ao Observer que “Nós continuamos normalmente. Estamos realizando alguns cultos a cada domingo, com cerca de 160 pessoas presentes no total. Não acredito que o governo tenha autoridade para dizer à igreja de Jesus Cristo que ela não pode se reunir para adoração. Eles não forneceram evidências, apenas nos classificaram como não essenciais. Mas acreditamos que a adoração é a coisa mais essencial na vida.”

“Respondemos a uma autoridade superior. Quando há uma contradição entre as leis do país e a ordem de Deus, a Bíblia é muito clara que a ordem de Deus deve vencer”, acrescentou o pastor, que disse nunca ter praticado a desobediência civil antes.

Contestações

Mais de 120 líderes religiosos de toda a Inglaterra e País de Gales contestaram legalmente a proibição atual do governo de cerimônias religiosas públicas.

Falando ao Observer, Andrea Williams, CEO da Christian Concern, disse: “Nunca pensei que diria isso na Grã-Bretanha, mas as igrejas estão se escondendo. Esses não são casos isolados – e quanto mais tempo durar, mais igrejas se juntarão ao movimento”.

No recente bloqueio no País de Gales, que fechou igrejas para adoração pública, os membros da Igreja da Comunidade New Hope em Cardiff continuaram a se reunir para orar. O resultado foi que a polícia galesa chegou em uma van de choque e mandou para casa as 30 pessoas ali reunidas.

O reverendo Wade Mclennan, da igreja, disse à BBC que outras igrejas em todo o País de Gales também estavam ignorando a proibição.

Os líderes da Igreja disseram ao Observer que seguiram as diretrizes sobre o distanciamento social e o uso de máscaras durante os cultos ilegais.

O Pr. Andrew disse que “ir ao prédio de nossa igreja é mais seguro do que ir ao supermercado.”

Graham Nicholls, diretor da Affinity, uma rede que representa mais de 100.000 cristãos, disse: “Em círculos evangélicos, alguns acreditam que o fechamento [de igrejas] é uma medida inteligente para ajudar a proteger o NHS e a saúde pública, enquanto outros estão convencidos de que o fechamento são ilegais e irracionais, mas procuram obedecer às restrições.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui