‘Uma Noite em Miami’: Regina King celebra o homem negro em encontro estelar – 17/01/2021

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Elenco de ‘Uma Noite em Miami’

Divulgação

Mariane Morisawa

Colaboração para Splash, de Los Angeles

17/01/2021 04h00

Cassius Clay, ou Muhammad Ali, o maior pugilista da história. Malcolm X, um dos grandes líderes da luta antirracista. Sam Cooke, o rei do soul. Jim Brown, um dos grandes do futebol americano. Eles eram jovens, famosos, poderosos. Uma espécie de Vingadores da cultura e da política afro-americanas.

Os quatro amigos festejaram juntos o primeiro título mundial dos pesos-pesados de Cassius Clay, que pouco depois se juntaria à Nação do Islã e adotaria o nome Muhammad Ali. Era a noite de 25 de fevereiro de 1964, e eles estavam num modesto quarto de hotel numa Flórida ainda segregada.

Continua depois da publicidade

Ninguém sabe de fato como foi essa comemoração —há uma imagem de Malcolm X fotografando Ali num bar. Mas o dramaturgo e roteirista Kemp Powers (que acaba de lançar “Soul”) resolveu imaginar. O resultado pode ser visto no filme “Uma Noite em Miami”, no Amazon Prime Video, cotadíssimo para o Oscar.

É a estreia na direção de longas da atriz Regina King, vencedora do Emmy por “Watchmen” e do Oscar por “Se a Rua Beale Falasse”. Ela procurava uma história de amor e acabou com essa história de amizade entre quatro homens negros e famosos que discutem como lidar com o racismo e alcançar a equidade.

Ela tem uma grande apreciação pela masculinidade negra, que estejamos confiantes em sermos fortes, poderosos, belos, sinceros e também vulneráveis.
Eli Goree, que faz Cassius Clay

Muhammad Ali ficou conhecido por não ter medo de dizer o que pensava, mas, entre amigos, entre quatro paredes, mostra inseguranças, principalmente em relação à sua entrada na Nação do Islã, a organização da qual Malcolm X (vivido por Kingsley Ben-Adir) fazia parte na época.

Continua depois da publicidade

Ben-Adir contou a Splash que a palavra que não saía de sua cabeça era “vulnerabilidade”.

Malcolm X, visto como um líder mais radical em comparação a Martin Luther King, aqui se sente ameaçado na organização e com medo da violência contra sua família —ele seria assassinado menos de um ano depois.

O que vemos nos arquivos, em geral, é Malcolm respondendo aos casos mais horríveis de racismo. Daí vem sua paixão, sua raiva, sua ira.
Kingsley Ben-Adir

Na verdade, seu amigo Dick Gregory o descrevia como um homem doce, decente, que tinha uma persona pública para lutar contra a injustiça racial. E que nesta época se sentia fraco e oco, sem que ninguém entendesse o tormento por que passava.

Isso sugeria que, de alguma maneira, ele podia estar sofrendo em silêncio, sentindo que a liberdade dos negros americanos estava em seus ombros.
Kingsley Ben-Adir

Continua depois da publicidade

Na noite ficcionalizada por Kemp Powers e Regina King, há várias discussões, sendo a maior delas aquela entre Malcolm X e Sam Cooke (Leslie Odom Jr., o Aaron Burr de “Hamilton”), que fazia músicas românticas tentando agradar aos brancos, mas controlando a produção e ganhando dinheiro com isso.

Malcolm X pressiona o amigo a se dedicar a dar voz ao sofrimento de seu povo —o que Cooke, assassinado não muito tempo depois num crime ainda nebuloso, fez, com seu clássico “A Change is Gonna Come”, cuja história foi um pouco modificada para efeitos dramáticos.

Divulgação - Divulgação

Regina King no set de ‘Uma Noite em Miami’

Imagem: Divulgação

Não importa. Afinal, trata-se de uma obra de ficção.

Mas os debates dos quatro sobre seus papéis no mundo e sobre como ser bem-sucedido num mundo branco, lutando por oportunidades e direitos iguais, poderiam acontecer hoje. Os atores, mesmo 50 anos mais tarde, entendem isso muito bem.

Para conquistarmos a equidade, não podemos ser espectadores. Ninguém vai nos dar, temos de tomar. E não falo de agressividade. Mas podem parar de destruir o que construímos?
Aldis Hodge, que faz Jim Brown

Continua depois da publicidade

Aldis Hodge, o Jim Brown, tomou como missão escolher projetos que tenham relevância pessoal ou uma mensagem importante. E hoje procura dar oportunidade a outros parecidos com ele.

Como Clay, Brown, Cooke e Malcolm X sabiam, a união realmente faz a força.

Leslie Odom Jr. é prova disso. Antes de Lin-Manuel Miranda escalar apenas atores negros, latinos, asiáticos e de outras minorias para fazer o megasucesso “Hamilton”, sua experiência tinha sido “nas margens”, como diz. Raramente corpos não-brancos estão no centro da narrativa.

Eu via meus irmãos e irmãs brancos tendo chance de fazer coisas maravilhosas e pensava comigo: talvez se eu tivesse uma oportunidade eu também poderia fazer algo grandioso.
Leslie Odom Jr.

“Hamilton” foi a evidência que faltava de que sua suspeita de ter condições e talento de estar “na sala onde as coisas acontecem” estava certa, para ele e para tantos outros revelados pelo musical.

Continua depois da publicidade

E essa confiança foi fundamental para que pudesse encarar sem medo viver um de seus ídolos, Sam Cooke. E inclusive cantar seu hino, “A Change Is Gonna Come”, numa interpretação emocionante. Odom Jr. também compôs para a trilha sonora a canção original “Speak Now”, em parceria com Sam Ashworth.

Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

É mais uma chance de concorrer ao Oscar. Se ele ganhar alguma estatueta, elas se juntarão a um Grammy e um Tony. E qualquer vitória do filme é mais um passo na direção de mais representatividade e equidade —pelo menos em Hollywood.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *