Sudão é o terceiro país árabe a selar acordo de paz com Israel

0
9

Sudão é o terceiro país árabe a selar acordo de paz com Israel

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O Sudão se tornou a terceira nação árabe, depois dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein, a normalizar os laços com o estado judeu de Israel como parte de um acordo de paz mediado pelos EUA, chamado de ‘Acordos de Abraão’, conforme anunciou a Casa Branca.

“Eles estão escolhendo um futuro no qual árabes e israelenses, muçulmanos, judeus e cristãos possam viver juntos, orar juntos e sonhar juntos, lado a lado, em harmonia, comunidade e paz”, disse o presidente Trump em um comunicado divulgado pela Casa Branca na última sexta-feira (23).

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu saudou o acordo como mais um “avanço significativo”.

“Que grande mudança”, disse Netanyahu. “Em Cartum, a capital do Sudão, eles adotaram em 1967 os ‘Três Nãos’da Liga Árabe: não à paz com Israel, nenhum reconhecimento de Israel e nenhuma negociação com Israel. Mas hoje, Cartum está dizendo sim à paz com Israel, sim ao reconhecimento de Israel e sim à normalização com Israel”.

De acordo com o comunicado, Israel e Sudão iniciarão negociações nas próximas semanas sobre acordos de cooperação em agricultura, economia, comércio, aviação, questões de migração e outras áreas de benefício mútuo.

“Parabéns a @POTUS @realDonaldTrump por esta CONQUISTA HISTÓRICA DIPLOMÁTICA”, postou Johnnie Moore, proeminente defensor da liberdade religiosa e fundador da KAIROS Company. “O verdadeiro boicote árabe a Israel em 1967 foi chamado de‘ Resolução de Cartum ’. Hoje, de Cartum, os Estados Unidos intermediaram a paz entre o Sudão e Israel”.

Depois de décadas vivendo sob uma ditadura islâmica brutal “que apoiava o terrorismo, o povo do Sudão está no comando e a democracia está criando raízes”, acrescentou a Casa Branca.

O acordo “tem valor simbólico para Israel, já que Cartum sediou a famosa cúpula da Liga Árabe em 1967, na qual oito nações árabes aprovaram o que ficou conhecido como ‘Três Nos’ – sem paz com Israel, sem reconhecimento de Israel e sem negociações com Israel”, O Wall Street Journal observou, acrescentando que ajudará o Sudão a reviver uma economia à beira do colapso.

A Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional reconheceu cautelosamente as melhorias na atmosfera religiosa e política do Sudão depois que o presidente da comissão, Tony Perkins, visitou o Sudão em fevereiro.

“Somos gratos ao primeiro-ministro Hamdok e outros membros da ousada liderança de transição do país que se reuniram com a USCIRF para transmitir seu desejo explícito de trazer uma nova era de abertura e inclusão para seu país, que sofreu por 30 anos sob repressão religiosa brutal e autocrática”, disse Perkins na época, segundo o Crux.

As autoridades também compartilharam na época como planejavam expandir a liberdade religiosa em um país que é classificado como o sétimo pior do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos, de acordo com a lista mundial da Portas Abertas (EUA), atualizada anualmente.

Nobel da Paz

No mês passado, um membro do Parlamento norueguês, Christian Tybring-Gjedde, nomeou Trump para o Prêmio Nobel da Paz de 2021, citando seu trabalho em ajudar a intermediar um acordo de paz histórico entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.

“Hoje indiquei o presidente dos EUA, Donald Trump, para o Prêmio Nobel da Paz”, anunciou Tybring-Gjedde no Facebook na época.

“O acordo pode abrir para uma paz duradoura entre vários países árabes e Israel”, explicou. “Agora é esperar que o Comitê do Nobel seja capaz de considerar o que Trump alcançou internacionalmente e que não tropece no preconceito estabelecido contra o presidente dos EUA. Em seu testamento, Alfred Nobel definiu três critérios para se qualificar ao Prêmio da Paz. Donald Trump satisfaz todos os três”.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui