Shoppings: por que os FIIs se recuperaram mais rápido que as ações? | Invest

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Enquanto a pandemia não é controlada no Brasil, os shoppings centers continuam sendo um dos segmentos mais afetados pela crise. Com os consumidores isolados em casa, o setor registrou queda de 35,2% no faturamento em 2020 na comparação com o ano anterior, segundo dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). 

A queda de receita afetou toda a cadeia, impactando os fundos imobiliários (FIIs) que investem em shoppings. O maior fundo do segmento, o XPML11, acumula uma queda de 13,23% desde março do ano passado, enquanto o índice IFIX — que mede o desempenho geral dos FIIs na bolsa — tem queda acumulada de 2,36% no mesmo período. 

Aprenda a cuidar melhor de seu dinheiro, sem complicações. Conte com a assessoria especializada do BTG Pactual Digital

Ainda assim, os FIIs de shoppings estão se recuperando mais rapidamente da crise do que as ações de empresas do mesmo ramo. Entre os cinco maiores fundos do segmento, o HGBS11 tem o pior desempenho: queda acumulada de 20,86% desde março de 2020. Já entre as principais ações de shoppings, o tombo é duas vezes o percentual e supera os 40%.

Desempenho dos principais FIIs  X Ações do setor

Gestor/ FII Rendimento acumulado entre março/2020 e fevereiro/2021 Empresa/Ação Rendimento acumulado entre março/2020 e fevereiro/2021
Hedge Investiments (HGBS11)

-20,86%

BR Malls (BRML3)

-43,57%

Hemisfério Sul Investimentos (HSML11)

-14,16%

Aliansce Sonae (ALSO3)

-42,74%

XP Vista (XPML11)

-13,23%

Iguatemi (IGTA3)

-31,36%

Vinci Real State (VISC11)

 -6,53%

Multiplan (MULT3)

-30,98%

BRPP (MALL11)

-6,26%

General Shopping (GSHP3)

-21,52%

Um dos fatores que explica o descompasso é a distribuição mensal de rendimento que os FIIs oferecem. “Por pior que a crise tenha sido para o setor, poucos fundos pararam de distribuir rendimentos. Houve uma queda no valor distribuído, mas a constância de pagamento influencia o investidor a manter o papel”, afirma Arthur Vieira de Moraes, especialista em fundos imobiliários e professor da Exame Academy.

Quer aprender a construir renda com fundos imobiliários? A Exame Academy tem o curso certo para você

As ações também distribuem rendimentos por meio de dividendos, mas o pagamento é mais esparso e não acontece todos os meses, como é o caso dos FIIs. Para o professor, isso faz com que o preço das ações demore mais tempo para se recuperar.

Outro ponto que conta a favor dos FIIs é a transparência. “As empresas divulgam informações trimestrais sobre seus papéis, enquanto os gestores de FIIs costumam prestar mais contas ao investidor, divulgando relatórios mensais detalhados para cada produto”, completa Moraes.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *