Rejeitada nos mercados globais, Argentina busca US$ 5 bi com BID e Banco Mundial • A Referência

0
19

Rejeitada nos mercados globais, Argentina busca US$ 5 bi com BID e Banco Mundial • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Sem apoio dos mercados financeiros globais, o governo da Argentina recorre às instituições multilaterais. Buenos Aires busca reunir cerca de US$ 5 bilhões com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Mundial.

Os recursos deverão realinhar o programa fiscal do governo de Alberto Fernández, disseram fontes ao portal argentino Infobae nesta sexta (18). As negociações, ainda em estágio inicial, devem depender de variáveis, como receitas e exportações.

As tratativas tentam driblar novos empréstimos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) enquanto o país constrói seu novo plano macroeconômico plurianual. A Argentina já soma US$ 45 bilhões em pagamentos atrasados ao órgão.

O presidente argentino Alberto Fernández, ao centro, e sua vice Cristina Kirchner à direita, na cerimônia de posse em 2019 (Foto: Cámara de los Diputados)

Buenos Aires acesso restrito aos mercados globais desde o calote de sua dívida externa em maio. A reestruturação da dívida só veio três meses depois, em agosto.

Nas negociações, o governo argentino solicitou ao FMI a ampliação do período de carência do pagamento à dívida. Seriam quatro anos e meio para começar o pagamento, caso aprovado. O governo pretende fechar um acordo antes de abril, disseram as fontes. Todavia, o Ministério da Economia não quis comentar.

Auxílio multilateral é alento à Nicarágua

Na Nicarágua, os empréstimos milionários dos bancos multilaterais têm sido um alento ao governo de Daniel Ortega. Com a pandemia e a crise deixada pelos furacões Eta e Iota, em novembro, Manágua viu seu percentual de depósitos aumentarem.

A entrada de empréstimos vinculados a projetos de multilaterais fez com que o país conseguisse desembolsar recursos às instituições, apontou o jornal “La Prensa”, que teve acesso aos contratos de empréstimo.

O recente repasse de US$ 186,8 milhões, aprovado pelo FMI para salvar as reservas do país, devem equilibrar o Instituto de Previdência Social da Nicarágua – fator que manterá os saldos do Banco Central sob controle, por enquanto.

No Orçamento Geral, Ortega apontou que usará pouco mais de US$ 73,3 milhões do empréstimo do FMI para injetá-los na previdência.

Com os empréstimos previstos para chegar em 2021, haverá margem para uso dos recursos sem afetar a economia do país, disse o ex-gerente do Banco Centro-Americano de Integração Econômica (CABEI), Róger Arteaga.

“Na melhor das hipóteses, em 2021, veremos uma possível melhora macroeconômica, mas não haverá avanço microeconômico para 80% da população”, apontou, ao sinalizar um crescimento limitado e frágil para o próximo ano.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui