Reino Unido quer assento no clube dos exploradores espaciais

0
9

Reino Unido quer assento no clube dos exploradores espaciais

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Livre da União Europeia, o Reino Unido quer de volta sua cadeira no clube dos exploradores espaciais, seja enviando satélites para a órbita da Terra, seja financiando um projeto inovador que solucionaria a eterna equação combustível x peso da nave: foguetes autofágicos.

“O Brexit forneceu um estímulo real para nos fazer pensar sobre o que de fato precisamos como país na exploração espacial”, disse em entrevista o presidente-executivo da Agência Espacial do Reino Unido, Graham Turnock.

Para lançar foguetes e satélites, uma área do Cornwall Airport Newquay, o principal aeroporto comercial da Cornualha, está recebendo £ 22 milhões (US$ 28 milhões) em investimentos. Vale mencionar que outros locais com potencial também estão sendo adaptados, como um na costa norte da Escócia.

Batom vermelho

Desde sempre engajado em projetos europeus e americanos, o programa espacial britânico jamais foi uma realidade – pelo menos, não depois de 1971, com o Black Arrow. Esse era o nome do foguete desenvolvido ao longo dos anos 1960 pelo programa espacial britânico e que subiu apenas quatro vezes ao céu, entre 1969 e 1971 – a última vez, carregando o primeiro e, até agora, único satélite de fabricação nacional, o Prospero. Altamente dispendioso para tão poucos resultados, o programa acabou cancelado.

O foguete Black Arrow ganhou o apelido de Lipstick (batom) Rocket.Fonte:  ResearchGate/Science Museum London/Reprodução 

Por isso, foi com entusiasmo redobrado que empresários do ramo receberam a notícia de que o governo havia comprado 45% da OneWeb, uma operadora de satélite em concordata, por £ 500 milhões (US$ 647 milhões).

Mesmo ruim das pernas, a empresa era uma principais protagonistas do mais competitivo segmento do mercado aeroespacial: as chamadas constelações de satélites, lançadas na órbita baixa da Terra para fornecer internet banda larga a regiões remotas.

Hoje, os satélites da empresa são construídos na Flórida, por conta de uma parceria com a americana Airbus, mas o que se espera é que, no futuro, eles saiam de uma fábrica em solo britânico.

Ainda pequeno, o time espacial britânico conta com pelo menos um jogador de conta bancária grande e ousadia idem – o milionário Richard Branson e a Virgin Orbit.

O Cosmic Girl com o foguete que levará satélites para a órbita da Terra.O Cosmic Girl com o foguete que levará satélites para a órbita da Terra.Fonte:  Virgin Orbit/Greg Robinson/Divulgação

A empresa usará um Boing 747 modificado (o Cosmic Girl) para levar à estratosfera da Terra, em 2  anos, o LaucherOne, cuja carga de satélites será posta na órbita baixa. O avião e outros equipamentos em teste estão no Deserto de Mojave, nos EUA; Branson pretende repatriar tudo com £ 7,35 milhões (US$ 9,51 milhões) de ajuda da Agência Espacial do Reino Unido.

Lanche pelo caminho

Neste ano, o orçamento espacial é de £ 556 milhões (quase US$ 720 milhões), um aumento de 10% em relação ao de 2019, mas ainda muito pouco perto dos mais de US$ 22 bilhões da NASA.

Mesmo assim, o governo está investindo em projetos revolucionários, como um motor que se autoconsome a caminho da órbita do planeta. O projeto, da Universidade de Glasgow, tem um “conceito simples: queimar os tanques também”, explicou o engenheiro aeronauta Patrick Harkness.

Segundo ele, “o corpo do foguete será um tubo de combustível sólido. Toda a montagem será consumida, de baixo para cima, por um motor que vaporizará o tubo de combustível, adicionará um oxidante e queimará a mistura para criar empuxo. O motor terá consumido todo o corpo do foguete no momento em que atingir a órbita; só restará a carga útil”.

FONTE ORIGINAL

0 0 vote
Deixa sua avaliação aqui
Comentários
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários