Quem assume a Eletrobras? Sucessor pode ser tiro de misericórdia na privatização

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Com a saída do atual presidente, Wilson Ferreira Júnior, marcada para 5 de março, a Eletrobras fica em uma situação delicada. A depender de quem ocupar o cargo no lugar do executivo, a sinalização para o mercado pode ser ainda mais pessimista do que a renúncia, anunciada na segunda-feira, 25, em meio a um cenário de crescente dificuldade na privatização da estatal.

Se for nomeado um indicado político, para agradar o Centrão, a mensagem será que a privatização dificilmente sairá, já que o Congresso tem se mostrado bastante resistente desde o início da discussão. Além disso, com a proximidade das eleições de 2022, os parlamentares tendem a evitar ainda mais assuntos impopulares, como a venda de uma estatal da dimensão da Eletrobras. 

Um presidente que venha de dentro do Congresso pode reforçar ideias contrárias à privatização, além de mostrar pouco comprometimento do governo em tocá-la. Para sinalizar que a intenção de vender a estatal ainda existe, a opção mais segura seria colocar um nome técnico, de dentro da empresa, como sugeriu Ferreira Jr. “Temos quadro para isso”, disse, em conferência, na segunda-feira, 25. 

O executivo afirmou que a administração da companhia ainda pretendia contratar uma consultoria de headhunter para avaliar outras opções no mercado. Ferreira Jr. também apontou nomes que têm condições de substituí-lo dentro do quadro atual da Eletrobras, como a diretora Financeira e de Relações com Investidores, Elvira Cavalcanti Presta. A equipe econômica também aposta em uma solução mais técnica e em defesa da privatização, mas esbarra em visões diferentes dentro do governo.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *