Por que nossos lábios ficam ressecados (e algumas dicas para evitar o problema)

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Podemos nem parar para pensar no assunto, mas a verdade é que os que lábios desempenham funções muito importantes no nosso dia a dia, como comer, falar e até mesmo beijar. Eles são tão primordiais que já foram realizados estudos para identificar o que seria a perfeição labial. Entretanto, nem mesmo os lábios mais perfeitos são capazes de escapar dos perigos decorrentes da constante exposição a fatores externos. E o ressecamento é um deles. Se, em algum momento, você notou que seus lábios estavam secos ou rachados, é bom conhecer a origem do problema, assim como suas consequências quando não tratado a tempo e as formas para evitá-lo.

O Incrível.club resolveu pesquisar sobre os principais motivos responsáveis pelo ressecamento e pela rachadura dos lábios. Mas não precisa se preocupar caso esteja com esse problema, pois ao fim do post você encontrará dicas para combatê-lo. O que você lerá a seguir são informações baseadas em estudos e pesquisas. Mas independentemente disso, é sempre bom procurar um especialista caso perceba os lábios ressecados com frequência.

1. Baixa produção de saliva

Se você tem alguma doença crônica, faz uso de certos medicamentos ou está se submetendo a um tratamento baseado em radiação, o ressecamento na boca pode indicar xerostomia. O transtorno se caracteriza pela diminuição ou ausência de saliva em um indivíduo. Apesar de a pesquisa a respeito da xerostomia não ter sido abordada com profundidade, foram encontradas diferentes causas que podem estar ligadas à alteração nas glândulas salivares, o que afeta também a situação dos lábios.

Entre os principais fatores desencadeadores da xerostomia estão:

  • Algumas doenças crônicas, como diabetes mellitus e tuberculose.

  • A presença de alterações autoimunes, caso da síndrome de Sjögren, por exemplo.

  • A aplicação de tratamentos com radioterapia ou poliquimioterapia em regiões próximas à cabeça e ao pescoço. Esse costuma ser um efeito colateral notado em pacientes com câncer.

  • O consumo de certos medicamentos. De acordo com um estudo, existem cerca de 42 categorias e 56 subcategorias de substâncias capazes de gerar efeitos secundários nas glândulas salivares.

  • O consumo de substâncias tóxicas. Um estudo revelou que entre 20% e 30% da população com 20 anos de idade no norte da Europa desenvolveu xerostomia. Na mesma pesquisa, os especialistas apontaram que certas drogas poderiam explicar o aumento de casos entre a população jovem.

2. O clima também atrapalha

Para entender de que maneira o clima pode afetar negativamente, é preciso antes conhecer mais a respeito da composição dos lábios. Um estudo indica que a superfície labial é coberta por uma fina camada córnea que funciona como barreira de proteção. Contudo, tal camada não é suficientemente efetiva para proteger e umedecer os lábios, o que os deixa mais suscetíveis aos efeitos da temperatura e do meio ambiente, entre eles o frio, o vento, a falta de umidade e as mudanças bruscas.

  • Segundo um especialista, sob as baixas temperaturas típicas do inverno, o frio e o vento fazem com que os lábios ressequem, dando espaço para o surgimento de rachaduras. Em casos mais graves, a região pode inflamar, sobretudo nos pontos onde o lábio superior encontra o inferior, nos cantos da boca.

  • Além disso, a exposição prolongada ao sol não apenas resseca os lábios, mas também os deixa endurecidos e os fazem descamar. Profissionais da área médica concluíram que as pessoas com mais de 45 anos e aquelas com pele clara são mais propensas a sofrer com o ressecamento labial. Há casos em que a superfície labial fica avermelhada e passa a desenvolver úlceras, que podem ser indícios pré-cancerosos.

3. Alguns hábitos não ajudam muito

Em muitas ocasiões, uma reação instintiva ou um hábito negativo colocado em prática constantemente pode tirar a beleza dos lábios e até provocar danos que perdurarão por muito tempo. Algumas ações adotadas por indivíduos com o propósito de combater o problema do ressecamento acabam agravando a situação, e isso costuma ser ignorado.

Alguns exemplos desses hábitos são os seguintes:

  • Umedecer os lábios com saliva. Especialistas em dermatologia apontam que a saliva é uma secreção irritante, rica em enzimas digestivas. Assim, passar a língua nos lábios para deixá-los molhados só piora o ressecamento, criando o risco de inflamações conhecidas como quelite.

  • Respirar pela boca. Um caso comum acontece quando dormimos de boca aberta. Nas palavras de um otorrinolaringologista, a entrada de ar pela boca resseca a mucosa, criando uma sensação de extrema secura ao acordar. A obstrução do nariz e a realização de intenso esforço físico também estão entre os motivos mais comuns para o uso da respiração bucal.

  • Ingerir poucos líquidos. A desidratação tem como um de seus principais sintomas a secura na boca. Quando perdemos muito líquido e não nos hidratamos em níveis suficientes, não sofremos apenas com o ressecamento de lábios e da boca como um todo, mas é bem possível que experimentemos um funcionamento inadequado do organismo. E isso pode resultar em problemas de saúde mais graves.

  • Morder os lábios. Esse hábito faz parte de um transtorno de controle de impulsos chamado dermatofagia, que consiste no ato de morder a pele de maneira inconsciente e/ou consciente. Além de favorecer o ressecamento dos lábios através da saliva, as mordidas frequentes tendem a provocar lesões e infecções na região.

4. O que acontece quando as emoções entram em jogo

É bem possível que a sensação de estar com “borboletas no estômago” tenha uma explicação científica relacionada às emoções, mas será que a mesma coisa acontece quando a questão é o ressecamento dos lábios? Alguns especialistas já deram suas opiniões a respeito do tema, levando em conta os seguintes estados psicológicos:

  • Estresse. Nesse ponto, médicos espanhóis citam a existência de um componente do organismo chamado sistema nervoso simpático. Ele é encarregado de controlar o corpo em situações de nervosismo ou tensão, que, por sua vez, provocam a redução na produção de saliva e levam ao ressecamento da boca, entre outros aspectos.

  • Ansiedade. De acordo com uma análise feita pela Universidade de Barcelona, um dos fatores psicológicos relacionados à síndrome da boca ardente, que causa ardência ou coceira na região bucal e costuma vir acompanhada pela secura, é a ansiedade. Esse comportamento pode induzir as pessoas no sentido de desenvolver hábitos repetitivos, como sucção ou mordeduras, sendo que o lábio inferior é, geralmente, uma das partes mais afetadas.

5. Esquecer das vitaminas (ou exagerar no uso)

As vitaminas possuem um papel fundamental no desenvolvimento e crescimento do ser humano, e algumas delas têm relação com o ressecamento labial. A ausência de algumas dessas substâncias (ou o excesso de uma delas em particular) tem potencial de comprometer o frescor dos lábios.

  • Em casos de deficiência de vitamina B2, também conhecida como riboflavina, um dos sintomas é o surgimento de rachaduras ou feridas na superfície e nos cantos dos lábios.

  • vitamina B6 se encarrega do funcionamento adequado das proteínas que regulam processos químicos no organismo. A falta da substância tende a provocar descamação e rachaduras nos cantos da boca.

  • Diferentemente das vitaminas citadas anteriormente, a vitamina A provoca consequências negativas nos lábios quando ingerida em quantidade excessiva. O consumo alto e prolongado da vitamina A costuma levar a rachaduras nas camadas labiais, sem falar na pele seca e enrugada.

Como prevenir os lábios ressecados

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido publicou uma série de recomendações sobre o que deve ser feito para manter os lábios livres do ressecamento e com uma boa aparência:

  • Invista em um bom bálsamo labial, preferencialmente algum que contenha vaselina ou cera de abelha. É possível encontrar esse tipo de produto em farmácias.

  • Escolha o bálsamo mais adequado para os seus lábios. Alguns deles podem provocar sensibilidade por conta dos componentes presentes na fórmula.

  • Lave sempre as mãos antes de aplicar o bálsamo, e jamais compartilhe o produto com outras pessoas. Assim, você evita a propagação de micro-organismos.

  • Caso se exponha aos raios do sol ou a um clima quente, aposte em bálsamos com fator de proteção solar 15 ou superior.

  • Em épocas de frio ou vento, coloque um cachecol que proteja os lábios quando sair de casa.

  • Evite umedecer os lábios com saliva e passar a língua sobre eles.

  • Evite morder os lábios e não arranque a pele morta com os dentes. Dessa maneira, não surgirão novas feridas.

  • Beba água regularmente para evitar a desidratação e, consequentemente, o ressecamento dos lábios.

Caso esteja sofrendo com lábios ressecados, é melhor procurar um bom dermatologista para solucionar o problema da forma mais conveniente. E se já passou por essa situação, deixe um comentário contando como lidou com a secura na região bucal.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *