Plano de saúde da Caixa deve autorizar cirurgia não prevista no rol da ANS

0
9

Plano de saúde da Caixa deve autorizar cirurgia não prevista no rol da ANS

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) determinou em sede de tutela provisória de urgência, que o plano “Saúde Caixa” libere a uma beneficiária o implante por catéter de bioprótese valvar aórtica (TAVI), procedimento médico que não consta do rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).  

Entenda o caso

De acordo com as informações do processo, a mulher possui 78 anos de idade e não pode se submeter a cirurgia cardíaca convencional, em razão do seu estado de saúde. Dessa forma, a equipe médica responsável concluiu pela necessidade da realização do TAVI. 

Na primeira instância, a 24ª Vara Cível de São Paulo havia negado o pedido da segurada. No entanto, diante da negativa, a beneficiária recorreu ao TRF-3, requerendo a autorização judicial para a realização do procedimento cirúrgico.  

Dever de cobertura do plano

O desembargador federal Hélio Nogueira,  relator do recurso da idosa, ao analisar o caso, deferiu o pedido. Na avaliação do magistrado, o fato do tratamento médico não constar no rol de procedimentos da ANS não pode constituir fundamento hábil a afastar o dever de cobertura do plano de saúde.  

Neste sentido, o magistrado afirmou: “O referido rol de procedimentos não apresenta caráter exaustivo, devendo ser interpretado como parâmetro técnico referencial, cujas diretrizes devem ser avaliadas em face das circunstâncias específicas do caso concreto”. 

Você Pode Gostar Também:

Intervenção cirúrgica

O relator ponderou que o médico responsável pela paciente, com fundamento na análise do exame das circunstâncias do caso, as condições de saúde e a evolução do quadro clínico apresentado, concluiu ser imprescindível o procedimento de intervenção cirúrgica específico, não havendo alternativa viável à completa recuperação da autora da ação. 

Conduta abusiva

Diante disso, o relator concluiu: “A opção da técnica a ser utilizada no procedimento cabe, exclusivamente, ao médico especialista, sendo considerada conduta abusiva a negativa de cobertura, pelo plano de saúde, de procedimento ou tratamento considerado essencial à preservação da saúde e da vida do paciente”. 

(Agravo de Instrumento 5012191-69.2020.4.03.0000) 

Fonte: TRF-3 

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

FONTE ORIGINAL

0 0 vote
Deixa sua avaliação aqui
Comentários
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários