O que aprendi com os conservadores



Trecho inicial da palestra que fiz no lançamento de “A política da prudência”, de Russell Kirk, na Travessa do BarraShopping. Depois, continuo citando outros pontos positivos, e faço minhas ressalvas no fim. O vídeo completo só estará disponível em uma semana, creio.
Rodrigo Constantino
https://www.youtubepp.com/watch?v=lod7vpZAnnQ

FONTE ORIGINAL DO VÍDEO

38 comentários em “O que aprendi com os conservadores”

  1. É muito engraçado como o Rodrigo consegue conduzir tantas palestras ou participações que ele faz conseguindo tirar risos e aplausos do publico presente. E isso que eu comecei a assistir ele quando estava na onda forte pró-ateismo. Parabéns Rodrigo Constantino.

    Responder
  2. Caro Constantino, discordo plenamente!

    Hayek no seu artigo deixa muito claro que não era conservador nem de má, nem de boa estirpe. Se não houvesse diferenças entre conservadores e liberais no uso da violência organizada, o governo caracterizado pela lei, liberalismo seria conservadorismo, e sabemos que não são.

    Em algum momento o conservador precisa concordar com o uso da força para impedir comportamentos não violentos aos quais ele imputa o perigo de perturbar a Ordem, em detrimento consequente à Liberdade. Cada conservador vai escolher o momento: drogas, sexo, comércio, religião, livros.

    Hayek era claramente a favor da prudência em relação a todas as mudanças impostas à força, o que coincide com os conservadores quando são contra imposições governamentais com as quais eles discordam. Porém estes mesmos conservadores não serão contra imposições com as quais eles concordem por crerem que estimulam a Ordem. Esso é âmago da questão.

    Hayek nunca priorizou em sua teoria, até prova em contrário, a Ordem em detrimento da Liberdade (sua Ordem Espontânea sendo filha da Liberdade), e expica muito melhor, sob o ponto de vista liberal, o surgimento das instituições culturais como linguagem, dinheiro e justiça, que os conservadores jamais explicarão.

    Saudações

    Responder
  3. Por falar em relativismo hein Rodrigo, paulatinamente em nome das "alianças" para ganhar mais voz no cenário nacional, você pode acabar se tornando igualzinho à tudo aquilo que você era contra;

    Responder
  4. Grande Constantino. Mente correta, idéias corretas. Concordo contigo em quase toda a linha, exceto onde você se torna distante de Olavo de Carvalho. O que nos une, enquanto direitistas, é mais forte do que o que nos separa. Acho, porém, que ainda teremos de aguentar o PT em 2014. Fato. Triste, mas fato. Não obstante, a direita brasileira poderá, depois de um enérgico período de organização, tornar-se um poder de fato no Brasil e, quem sabe, liquidar moralmente o governo petista de então, impossibilitando a volta dos comunistas petistas. Mas digo: caso não haja uma associação de direitistas (muito geral, mas REAL, não conseguiremos NADA).

    Responder
  5. O resto de sair no site da É realizações! Vale muito a pena assistir à palestra na integra!!! Tive a sorte e o prazer de estar lá!!! O Rodrigo foi brilhante lá, pena que não pude ficar até o fim para garantir meu autógrafo.

    Responder
  6. O relativismo moral, se faz necessário, pois apesar de nós sermos, conservadores de valores, conservamos sempre valores diferentes, pois a maioria são teístas, e o que é moral para um cristão, pode nao ser para um ateu, judeu, ou um satanista de direita, seus valores morais, não deve ser impostos, sobre os meus valores morais, e vice-versa. Esse é o maior erro dos reacionários, a falta de bom senso, e respeito ao próximo.

    Responder
  7. Constantino. Creio que voce tem que fazer um video se desculpando com o Olavo de Carvalho. Como nao existe conspiracao bolivariana? Pode nao ser totalmente orquestrada, mas que existe existe. Esta la escrito no Foro de Sao Paulo, ata de 2013:

    " BRASIL

    La victoria de Lula en la elección presidencial del 2002 constituyó un acontecimiento de trascendencia histórica no solo para Brasil, sino también para América Latina y el Caribe. No fue un hecho casual, fue resultante de una construcción política colectiva de varias organizaciones de izquierda, que sintetizó lo más avanzado del pensamiento progresista brasileño."

    Responder
  8. Pilulas equivocadas de citação de um conjunto de autores: de Hume a Hayek em poucos segundos… Ao final entrega um liberalismo "particular", próprio, individualizado por ser provinciano… Até pq, não compreende a radicalização dos argumentos normativos no próprio liberalismo. É uma leitura do "nosso liberalismo" e "nosso conservadorismo" para os que se identificam com o discurso, tal como os livros de auto-ajuda onde o leitor ou ouvinte busca exatamente o que quer ouvir. Ponto. Lamentável para o próprio autor do discurso e preguiça mental para os ouvintes crédulos.

    Responder
  9. REALMENTE, ISSO TUDO É FRUTO DE UMA IDEOLOGIA UTÓPICA E ULTRAPASSADA, ESSE SOCIALISMO QUE AÍ ESTÁ. É ALGO QUE NÃO DEU CERTO PELA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA. E NÃO FOI SÓ UMA, FORAM VÁRIAS EXPERIÊNCIAS AO LONGO DE UM SÉCULO ! ESSES PENSAMENTO QUE AÍ ESTÁ DESGRAÇOU E DESGRAÇA NAÇÕES INTEIRAS.

    Responder

Deixe um comentário

ACHADINHOS BARATOS

Esse post pertence a esse canal

ACABOU DE CHEGAR