O paradoxo da Tesla: carros elétricos e poluição em excesso

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

A Tesla não é hoje apenas uma referência em inovação para toda a cadeia automotiva, que replica decisões de mercado tomadas por Elon Musk, CEO da empresa, mas também um espelho de ações com foco em sustentabilidade. Principal fabricante de carros elétricos do mundo, a Tesla também aposta na produção e armazenamento de energia renovável mundo afora, especialmente a solar.

Ao passo em que é uma das principais apostas do setor para os próximos anos, a Tesla se gaba de um portfólio crescente de modelos totalmente elétricos e com um potencial imenso de reduzir os impactos das emissões de carbono. No entanto, na última semana o discurso da montadora divergiu da sua atuação em um certo ponto: as criptomoedas.

O posicionamento climático da empresa foi chacoalhado pelo anúncio da compra de 1,5 milhão de dólares em bitcoins. A compra foi o primeiro passo para que, em um futuro não tão distante, a Tesla passe a aceitar o ativo como forma de pagamento nas vendas dos veículos da marca.

O grande problema ambiental do bitcoin está na mineração . O consumo de energia no processo é imenso e raramente parte de fontes renováveis. Ao considerar os principais países emissores da moeda, é simples atrelar o ativo a combustíveis fósseis e com impacto desastroso ao meio ambiente. Esse é o caso da China, principal mineradora de bitcoins do mundo, e que ainda possui parte de sua matriz nacional baseada no carvão e usinas termelétricas.

De acordo com o Cambrigde Bitcoin Electricity Consumption Index, índice que mede o consumo global de energia criptomoeda em tempo real, se fosse um país, o bitcoin estaria em 31º lugar entre as nações que mais consomem eletricidade no mundo, ultrapassando países como a Argentina, por exemplo.

Em entrevista ao portal The Verge, analistas defendem que o investimento simboliza um retrocesso para as ações ambientais da Tesla. Para os especialistas, o investimento, além de alimentar a crise climática global, será responsável por inflar a pegada de carbono da empresa e fazê-la perder o posto de liderança verde no segmento.

Além de afirmar que fabrica seus modelos elétricos são fabricados para ter o maior tempo de duração possível, a Tesla conta com um processo de reciclagem de baterias ao final da vida útil do item e é também uma das principais fabricantes de painéis solares dos Estados Unidos.

A última aposta da empresa está no lançamento de telhas solares residenciais, que imitam as peças tradicionais, mas são abastecidas por energia solar. Segundo dados da empresa, mais de 3,6 GW de potência em energia solar limpa foi instalada em 400.000 telhados – o equivalente a 10 milhões de painéis solares tradicionais.

Como era de se esperar, a aposta da Tesla acarretou em uma alta desenfreada dos preços do ativo. Pela primeira vez, a moeda atingiu o valor de 44,8 mil dólares, uma variação de quase 20% em relação ao dia anterior, levando até mesmo gigantes de tecnologia como a Apple a desejarem entrar no mercado cripto, segundo relatório do RBC Capital Markets.

Bilionário Verde

Elon Musk é hoje o principal bilionário verde do mundo, segundo ranking da Bloomberg . De acordo com a lista, o empresário tem um patrimônio ambiental superior a 180 bilhões de dólares. Esse montante, porém, representa 91% de toda sua fortuna –  que é de 199,2 bilhões de dólares – e exclui os negócios espaciais do empresário.

Fonte: Exame

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *