O egoísmo na paternidade e na maternidade



Torne-se Membro da Brasil Paralelo: https://bit.ly/ytcortbp
_____

A orientadora familiar Simone Fuzaro diz que hoje em dia muitos pais veem os filhos como um sonho a ser realizado.

Fuzaro discute junto com Lara Brenner e Arthur Morisson que os pais projetam o futuro dos próprios filhos e isso acaba gerando frustração. Para Simone, ter filhos é um milagre e não um sonho paterno.

Clique aqui para assistir a Conversa Paralela completa sobre filhos e famílias:https://youtu.be/0omhU1tyg7s
_____

Confira nossa programação diária 👇

TERÇA-FEIRA, ÀS 20:00 – Conversa Paralela

Em um cenário onde quase tudo parece repetitivo e previsível, as conversas paralelas podem ser as mais interessantes. Conduzido pelos influencers Arthur Morisson, Lara Brenner e convidados especiais, esse podcast da Brasil Paralelo fará você aprender conteúdos de alto nível sem se dar conta que está aprendendo.

_____

Siga a Brasil Paralelo:

Site: https://bit.ly/portal-bp
Instagram: https://www.instagram.com/brasilparalelooficial/
Facebook: https://www.facebook.com/brasilparalelo
Twitter: https://twitter.com/brasil_paralelo

Sobre a Brasil Paralelo:

Somos uma empresa de entretenimento e educação fundada em 2016. Produzimos documentários, filmes, séries, trilogias, cursos, podcasts e muito mais. Nosso foco é o conteúdo informativo e educativo relacionado ao contexto social, político e econômico brasileiro. #BrasilParalelo #CortesDaBP https://bit.ly/ytcortbp
Brasil Paralelo
https://www.youtubepp.com/watch?v=rKxLTwpzaQk

FONTE ORIGINAL DO VÍDEO

O que você achou desse post?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0

30 comentários em “O egoísmo na paternidade e na maternidade”

  1. Faça o seguinte … Separe do seu Marido e , passe à viver dos proventos que pode gerar … Sustente sua família apenas e unicamente com o que você pode produzir … Será que sua opinião será a mesma daqui à três meses ???

    Responder
  2. Que papo furado, hein? Nem minha avó era tão ingênua. Se vocês tivessem um pouco de cultura conheceriam o trabalho do Professor Julio Cabrera, da UNB, e as teses do anti-natalismo. Um pouco de filosofia e uma discussão em um nível menos infantil não faz mal a ninguém.

    Responder
  3. O pior é o golpe do pai socioafetivo onde quem não tem nada a ver com a história genética é obrigado a suprir as necessidades de quem não tem sua linhagem. Ser preso por um crime que não cometeu é algo absurdo é surreal.

    Responder
  4. Discordo totalmente, sempre sonhei em ser pai. Sempre quis ser pai. Engraçado que as meninas brincavam com bonecas já dizendo que eram mães ainda na infância e eu esperei a chegadas dos meus. Sou muito mais feliz porque tenho por quem lutar nesta vida e trabalhar buscando o meu melhor além de mim próprio. A impressão que fico é que vocês não sabem o valor de ter filhos. Desejo que os jovens sonhem com a paternidade e com a maternidade e que isso seja inspiração para se tornarem pessoas cada vez melhores!!! E espero que essa matéria não mudem isso neles!!!

    Responder
  5. " inteligência pela liberdade de expressão", já dizia Jean Piaget, néh.. então, não precisamos ficar fazendo projeções nos filhos daquilo que nunca fomos na verdade, pois isso é uma utopia e não é reconhecer a individualidade da criança.

    Responder
  6. É lindo demais famílias grandes, mas essa "beleza e grandeza" acabam rapidinho quando a mãe começa a se frustrar por não conseguir se arrumar e ficar bonita pois precisa abrir mão de si para dá conta das despesas, o pai passa a encontra uma mulher descabelada e estressada em casa e por isso vai procurar na rua, e os filhos crescem num ambiente caótico. Fazem um podcast com uma mulher de pedreiro ou uma doméstica da próxima vez que tem 11 filhos para fazermos uma análise mais ampla por favor 😔🙏🏼

    Responder
  7. Eu apoio e sou membro da BP mas algumas pautas são realmente embaraçosas e constrangedoras pelo foco num determinado argumento esquecendo/escamoteando o contrário. Na plataforma, por exemplo, tem vídeo sobre a maconha com argumentos rasos e sem embasamento e felizmente com muitas criticas negativas os comentários. Filhos é um projeto egoísta da maioria das pessoas que são pouco ou nada capacitada para esta empreitada. Dinheiro SIM é importante na hora de decidir ter filhos, só acredita no contrário quem veio de classe média alta. Eu sou filha de pais muito pobres e sei o quão difícil é a vida numa lar assim.

    Responder
  8. Nunca sonhei em ter filhos, mas, me casei com um homem que me deixou segura para ter 5 filhos, mesmo não tendo as maiores condições financeiras, nunca faltou o necessário. E ajudar na formação do caráter de uma pessoa valeu todas as "penas da galinha", não consigo imaginar uma vida sem meus 5 tesouros.

    Responder
  9. Ué, a motivação para se ter muitos filhos não deve ser egoísta, ela diz, contudo, logo em seguida ela emenda que tenta inculcar isso nos casais dizendo : "Vejam a beleza de se ter filhos! Vejam que alegria mortificar-se para criar uma pessoa!" E alguém poderia completar: "E não poder esperar sequer receber a assistência devida na velhice!" (Como sói acontecer em toda parte!) Onde a beleza em tanto sacrifício, amiúde em vão? Vocês recomendam aos casais proles numerosas por meio de razões como estas? Se esta doutora se dirigisse exclusivamente a casais cristãos (a clientela dela deve ser restrita, entendi), nada obstante teria dificuldade de sustentar a tese do sacrifício e da abnegação! Não basta dizer, filha: "Vejam a beleza de ser criar 10, 20 filhos!" para quem sabe o custo de um par de sapatos, de material de escola, de alimentação, de brinquedos etc., etc., etc.

    Responder
  10. Querem se sentir "a fêmea realizada", "o macho viril", mas não querem ser mulheres e homens responsáveis por suas escolhas, por suas famílias e por seus filhos.

    Responder
  11. E por falar na questão de que filho não está pra realizar sonho de ninguém, eu também ouso tocar num ponto polêmico que é a escolha do sexo do bebê.

    Penso quem quer ser pai ou mãe, tem que pedir sabedoria a Deus para saber criar seja lá quem vier, e não ficar escolhendo o sexo do bebê como se estivesse fazendo um pedido numa lanchonete, porque filho não é um produto, é uma pessoa, e pessoas sentem a dor de uma rejeição.

    Meu pai, por exemplo, queria menino e até hoje minha relação com ele é muito distante pois ele nunca soube o que é lidar com uma menina e nunca quis saber nada sobre disso. Por várias vezes me senti rejeitada e até culpada por não ter sido do sexo que ele queria e isso me magoa até hoje, com meus 30 anos de idade.

    Acho errado os pais colocarem expectativas no sexo do bebê, pois sempre um vai sair decepcionado e o mais triste é que vão deixar isso transparecer para criança que não tem culpa.

    Quem quer doar amor, não escolhe sexo, nem cor e nem tipo físico.
    Essa é a real vocação materna e paterna.

    Responder
  12. No sonho pode estar englobada a beleza e grandeza de ter filho. Acredito que, neste caso, houve uma apropriação da palavra sonho que, não necessariamente, se esgota em mera fantasia.

    Responder

Deixe um comentário

ACHADINHOS BARATOS

Esse post pertence a esse canal