Não é privilégio pedir para prestar depoimento por escrito, diz Bolsonaro

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que não quer “nenhum privilégio”, mas “tratamento rigorosamente simétrico” ao dado a outras autoridades em situações semelhantes. A afirmação foi publicada em rede social, após a Advocacia-Geral da União (AGU) protocolar um recurso contrário à decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que obriga o presidente a prestar depoimento presencial, na investigação que apura interferências na Polícia Federal.

“Não se pede nenhum privilégio, mas, sim, tratamento rigorosamente simétrico àquele adotado para os mesmos atos em circunstâncias absolutamente idênticas em precedentes recentes do próprio STF”, escreveu Bolsonaro, que viajou na manhã de hoje ao Nordeste.

No recurso enviado ao Supremo na quarta-feira, a AGU pede para que o presidente possa fazer o depoimento por escrito ou que a Polícia Federal espere até que o plenário do STF decida sobre a determinação de Celso de Mello.

O inquérito investiga se o presidente Jair Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal, como alegado pelo ex-ministro Sergio Moro. Em abril, ao anunciar sua saída do cargo, Moro afirmou que o presidente queria uma pessoa no comando da PF com quem “pudesse ligar, que ele pudesse colher informações de inteligência, e realmente não é o papel da Polícia Federal prestar essas informações”.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *