‘M8 – Quando a Morte Socorre a Vida’ é o nosso ‘Get Out’ brasileiro – 21/12/2020

0
26

‘M8 – Quando a Morte Socorre a Vida’ é o nosso ‘Get Out’ brasileiro – 21/12/2020

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

“M8 – Quando a Morte Socorre a Vida”, adaptação do livro homônimo de Salomão Polak, ganha uma nova visão com o diretor Jeferson De, o filme brasileiro que estreou no começo de dezembro, toma as telonas do cinema para pôr em destaque um assunto que tomou conta do debate público quase que o ano inteiro.

Racismo

A discussão racial que se torna personagem principal dessa trama, que decide didaticamente às vezes até que exageradamente, mostrar como a vida de um jovem negro pode ser afetada por esse, vamos dizer mal.

Na trama ambientada no Rio de Janeiro hiper militarizado que de longe é ficção, acompanhamos o jovem Maurício (Juan Paiva) que acabou de ingressar no curso de medicina. Sem muita cerimônia, Maurício se depara com o cadáver M8, ele e seus colegas brancos vão estudar usando o corpo, a partir daí a trama começa.

A escolha do Diretor Jeferson De, de partir para um terror mais psicológico, mas que também se envolve com um drama, aponta para a fórmula que vimos bastante nos últimos anos. Como o terror e temática racial de “Corra” ou até mesmo o filme que estreou na Netflx esse ano, chamado “O Que Ficou para Trás”, que dedicou a trama para falar de violência racial com imigrantes.

Falando em especial do diretor do filme, vale a pena conhecer o trabalho de Jeferson. A primeira vez que ouvi seu nome foi assistindo o filme “Bróder” que é estrelado pelo Caio Blat e que muito me marcou, não só pela escolha do Capão Redondo como território onde se passa o filme, mas também a história consistente e que me prendeu.

Mas, diferentemente de “Bróder”, Jeferson ousou mais em, “M8”. Fica muito claro que ele se preocupou em trazer um mal-estar para o telespectador, no sentido de que a angústia que o protagonista Maurício (Juan Paiva) vive para descobrir de quem é aquele corpo e se debruça nos seus próprios desafios para se manter vivo.

Existe não só sua jornada em nomear aquele corpo, mas também se encontrar no espaço da universidade. Vale ressaltar os dados: em 2013 apenas 2,7% dos formandos eram negros, o avanço das cotas mudou um pouco o cenário, que agora atinge 24,6% de ingressantes, mas ainda é pouco para o cenário do curso e da quantidade de negros no país.

M8 – Quando a Morte Socorre a Vida

Imagem: Divulgação Paris Filmes

O filme que ainda conta com participação de atores como Lázaro Ramos, Rocco Pitanga, Zezé Motta e Aílton Graça, e Mariana Nunes que interpreta Cida mãe de Maurício, também aponta para uma diversidade no elenco e de talentos da antiga e nova geração.

Uma das interpretações que mais me conectou com toda a história é justamente a de Raphael Logam, que assume a interpretação do corpo M8. Sem falar nada, Logam diz tudo. Correndo o risco de parecer clichê, mas realmente era preciso falar com os olhos e conseguir passar todo aquele cenário de desespero para o telespectador, coisa que o ator brilhantemente conseguiu.

Esse filme tem muito para apontar sobre violência racial, medo e superação, mas também sobre conquistas pessoais e coletivas. Maurício o protagonista do filme consegue transportar ao mesmo tempo, uma sensibilidade gigante, junto com o medo e as suas próprias descobertas sobre aquele corpo negro que ele tanto desejar saber quem é, mas também o seu próprio corpo negro no mundo. Loucura né!? Mas esse é o novo filme de Jeferson De.

M8 – Quando a Morte Socorre a Vida” além de tudo nos convida para um final espetacular, de tirar o fôlego. E lágrima também. O filme deixa um recado que extrapola o final, a tela e o enredo todo, que nos chama para realidade da violência racial vivida nesse país.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui