Iraque demanda eleições transparentes após adiamento • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Este conteúdo foi publicado originalmente pelo portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

A representante da ONU para o Iraque, Jeanine Hennis-Plasschaert, informou o Conselho de Segurança, na terça-feira (16), que as eleições no Iraque serão realizadas em 10 de outubro, quatro meses depois do planejado. 

“Não podemos aceitar novos atrasos”, disse ela. “A transparência deve reinar e lealdades não podem estar à venda. Teorias infundadas devem ser refutadas e a intimidação substituída por responsabilidade”.

O Parlamento iraquiano ainda não finalizou a lei do Supremo Tribunal Federal responsável por certificar os resultados eleitorais. O único andamento até então é a aprovação da legislação de financiamento ao pleito.

Representante especial Jeanine Hennis-Plasschaert se encontrando com forças de segurança de Sinjar em janeiro de 2021 (Foto: Unami/Salar Brifkani)

Conforme Hennis-Plasschaert, as eleições ​​exigem um ambiente livre e seguro. “Os partidos e autoridades devem se unir para um acordo sobre um código de conduta para eleições livres sem medo de intimidação, ataque, rapto ou assassinato“.

Hennis-Plasschaert lembrou que o Conselho recebeu um pedido de observação eleitoral e expressou esperança de que os iraquianos possam contar com o apoio inabalável do órgão. “O Iraque controlará as eleições em todos os momentos e a ONU não tomará partido”, pontuou.

Crise 

O Iraque continua a passar por dificuldades econômicas, mas um aumento recente nas receitas do petróleo aliviou a crise de liquidez. Os preços, projetados em alta, permitem que o governo avance em questões urgentes como serviços públicos e salários de funcionários públicos. 

“Muito pouco progresso foi feito na implementação de medidas de reforma”, disse a representante. “O Iraque não pode se dar ao luxo de continuar a depender da extração de recursos, nem ao peso excessivo de um setor público descomunal”.

O acordo sobre a lei orçamentária de 2021 exige reconciliação e compromisso entre as autoridades nacionais e os representantes da região autónoma do Curdistão. 

As negociações seguem prejudicadas pela falta de leis, incluindo sobre petróleo, divisão de receitas e territórios disputados.

escombros iraque hassan partowun environment
Construções destruídas por conflitos no Iraque (Foto: Hassan Partow/UN Environment)

Assentamentos

Nos últimos três meses, está em andamento o fechamento de campos para iraquianos vivendo como deslocados internos, muitos dos quais são mulheres e crianças. 

Apesar desse avanço, Hennis-Plasschaert disse que a pressa e opacidade em torno do processo pode facilmente precipitar outra crise. “O foco deve ser em medidas seguras e dignas para resolver o deslocamento”, disse.

“O Iraque tem a responsabilidade de receber de volta seus cidadãos – começando pelos casos humanitários. Muitas promessas foram feitas e agora é hora de cumpri-las”.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *