‘Hora de reconstruir’, diz Guterres ao Conselho de Direitos Humanos • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Este conteúdo foi publicado originalmente pelo portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou que a pandemia está expondo “princípios fundamentais” num discurso à 46ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos, nesta segunda-feira (22).

Na reunião virtual, o chefe da ONU apontou a recuperação da crise como uma chance para a transformação. Segundo ele, agora é a hora de reiniciar, reformular e reconstruir.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, em pronunciamento ao Vaticano em fevereiro de 2021 (Foto: UN Photo/Manuel Elías)

“A recuperação deve ser feita de forma regulada pelos direitos humanos e pela dignidade universal”, pontuou. Guterres acredita que os direitos humanos permitem a interconexão, facilitam a resolução de tensões e promovem uma paz duradoura. 

“Esses princípios que estão na linha de frente da construção de um mundo com dignidade e oportunidade para todos”, pontuou. O secretário-geral enfatizou, porém, algumas pressões enfrentadas na área de direitos humanos como racismo, xenofobia e desigualdade de gênero.  

Guterres quer uma revitalização do combate ao neonazismo, da supremacia branca e do terrorismo com motivação racial e étnica. “O perigo está crescendo a cada dia”, pontuou ao Conselho da ONU.

“A crise tem rosto feminino”

Para ele, a pandemia exacerbou ainda mais a profunda discriminação a mulheres e meninas. “A crise tem rosto feminino”, disse. Guterres realçou que a violência a mulheres, em todas as formas, disparou durante a pandemia.

As situações envolvem desde o abuso online até ao tráfico, exploração sexual e casamento infantil, além da violência dentro de casa. “Um mundo dominado por homens vai gerar resultados masculinos”, advertiu.

ONU: “É hora de reiniciar e reconstruir”, diz Guterres ao Conselho de Direitos Humanos
Mulheres trabalham nos testes das vacinas à Covid-19 em outubro de 2020 (Foto: Universidade de Oxford/John Cairns)

Quanto à pandemia, Guterres citou como ultraje moral o fracasso em garantir a equidade de vacinação. Apenas dez países administraram 75% de todas as vacinas contra a Covid-19 e mais de 130 nações não receberam uma única dose.  

Já a alta comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, disse que a pandemia desmascarou realidades de discriminação. “O impacto na saúde está longe chegar ao fim, embora os efeitos nas economias, liberdades, sociedades e as pessoas estejam apenas começando”, apontou.

O presidente da Assembleia Geral, Volkan Bozkir, disse que a pandemia não tem sido apenas uma crise de saúde, mas “uma crise de direitos humanos”. Para ele, todas as respostas devem garantir que estes princípios estejam em evidência como a defesa do acesso igual às vacinas. 

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *