Governo ‘jamais’ vetará reajuste da Petrobras, como fez FHC, diz ministro – 22/02/2021

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que o governo Jair Bolsonaro (sem partido) jamais fará uma intervenção na Petrobras como fez o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

No Twitter, o ministro compartilhou uma reportagem da “Folha de S.Paulo” de 16 de fevereiro de 2002, cujo título diz: “FHC desautoriza Petrobras e veja aumento da gasolina“.

“Tenham certeza de que jamais faremos o que FHC fez”, escreveu Faria ao postar a reportagem.

De acordo com o texto, FHC desautorizou um aumento de 2,2% no preço da gasolina nas refinarias anunciado pela Petrobras. O reajuste seria o primeiro após a empresa ter reduzido o preço do combustível em 25% um mês e meio antes.

Bolsonaro já impediu aumento do diesel

Apesar de o ministro afirmar que o atual o governo jamais faria uma intervenção como esta, Bolsonaro já desautorizou um aumento de preço do diesel nos primeiros meses de mandato.

Em abril de 2019, Bolsonaro ligou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e impediu a empresa de aumentar em 5,7% o preço do combustível.

Após as críticas e a queda das ações da Petrobras, o ministro da Economia, Paulo Guedes, colocou panos quentes e disse que Bolsonaro havia entendido como funciona a formação de preços do diesel.

PSDB ironiza fala de Guedes

Após a postagem de Faria, o perfil oficial do PSDB no Twitter fez uma publicação ironizando uma fala do ministro Paulo Guedes.

Em uma montagem com fotos de Guedes, a publicação traz duas manchetes: uma do jornal “Valor Econômico” em que o ministro diz que, se fizesse “muita besteira”, o dólar passaria de R$ 5, e outra de hoje do UOL Economia que diz que a moeda norte-americana era cotada acima de R$ 5.

“Por falar em intervenção na Petrobras…”, escreveu o PSDB na postagem.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *