Governo inclui mais 25 milhões de pessoas em grupo prioritário da vacina – 22/01/2021

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O Ministério da Saúde aumentou em 25,6 milhões de pessoas o público prioritário para tomar vacinas contra a pandemia de coronavírus. Nesta sexta-feira (22), a pasta enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a segunda versão do plano nacional de vacinação, documento ao qual o UOL teve acesso.

A nova versão do plano inclui caminhoneiros e trabalhadores de transporte aéreo, marítimo e terrestre na etapa inicial de vacinação. Na primeira versão, entregue em 11 de dezembro ao STF, o ministério havia calculado 51,5 milhões de pessoas nos grupos prioritários —soma que passou para 77,2 milhões de brasileiros, cerca de 37% da população.

O Brasil, no entanto, só dispõe até o momento de 12,8 milhões de doses das vacinas CoronaVac e AstraZeneca, ambas que precisam ser aplicadas em duas doses. A vacinação no país começou esta semana, com prioridade para trabalhadores da área de saúde e povos indígenas, entre outros.

A decisão do ministério de incluir os caminhoneiros foi anunciada em meio a convocações de greve da categoria.

Na segunda-feira (18), o ministro do STF Ricardo Lewandowki havia cobrado a atualização mensal do plano do Ministério “inclusive no tocante ao cronograma correspondente às distintas fases da imunização”. O objetivo era obter as datas da imunização para os grupos específicos, como idosos e profissionais de saúde, e também a população em geral.

No documento enviado hoje, porém, não existem datas nos cronogramas. O UOL pediu esclarecimentos ao Ministério da Saúde sobre o planejamento, mas não obteve resposta.

Sobre o benefício aos trabalhadores de transporte, o Ministério da Saúde afirmou que o grupo prioritário “é dividido em fases” e que o escalonamento dos grupos populacionais para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina”.

“Atualmente, o Brasil tem mais de 354 milhões de doses de vacinas garantidas, para 2021, por meio dos acordos com a Fiocruz (254 milhões de doses), Butantan (100 milhões de doses) e Covax Facility (42,5 milhões de doses)“, diz o governo.

*Com a agência de notícias Reuters

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *