Google abre projeto open-source do Chrome para mais empresas | Aplicativos e Software

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O Google está abrindo o projeto Chromium – base do navegador Chrome – para mais empresas de tecnologia. O software de código aberto já é utilizado por grandes concorrentes, como a Microsoft, Samsung e Brave. Mas a subsidiária da Alphabet quer expandir ainda mais o controle para “melhorar a navegação web no futuro”.

Google Chrome (Imagem: Nathana Rebouças/Unsplash)

Em março, o Google admitiu que o desenvolvedor Manuel Rego Casanovas, da empresa Igalia, ocupasse um cargo de liderança no projeto Chromium. O processo reforça a mudança da dinâmica anterior, na qual apenas os engenheiros do Google aprovavam ou não a implementação de novos recursos. Casanovas é o terceiro líder externo a integrar a equipe, e o primeiro em um novo sistema de nomeação.

De acordo com Alex Russell, desenvolvedor sênior que encabeça o grupo de padrões da web do Chrome, a ideia é que mais profissionais de fora do Google façam parte da iniciativa no próximo ano.

Além de contar com participações externas na equipe, o projeto passa a aceitar também recursos de outras empresas, ainda que o Google opte por não adicioná-los ao Chrome. Desse modo, a gigante da tecnologia pretende garantir a visão de participação que permite a outros desenvolvedores alcançarem objetivos específicos, de acordo com as metas de suas empresas de origem.

Chromium

Chromium (Imagem: Divulgação/Google)

Vale ressaltar que nem todos os recursos da web precisam ser instalados em softwares que operam com a base Chromium – o presidente-executivo do Brave, Brendan Eich, afirma que o navegador desativa recursos quando os considera fora do padrão ou julga que eles possam representar riscos à privacidade dos usuários.

Durante a conferência BlinkOn realizada no início desta semana, o engenheiro do Chrome Danyao Wang chamou a atenção para os benefícios à respeito da expansão da abertura do Chromium:

É muito legal ver tantas pessoas e grupos com prioridades diferentes se reunindo e encontrando soluções que não apenas atendam às suas agendas individuais, mas também promovam o objetivo comum de melhorar a web.

Código-aberto e segurança

As iniciativas do Google são opostas à visão de outra grande empresa do setor – a Apple. Enquanto a dona do Chrome expande as fronteiras para alcançar mais empresas e construir novos recursos, a Apple mantém limites mais rigorosos em seus apps afirmando temer pela segurança destes.

Em resposta, o Google  argumenta que devido à tecnologia de sandbox, os apps da web são mais seguros do que aplicativos nativos, e que limitar a interatividade avançada de apps nativos prejudica a web a longo prazo.

As principais empresas que contribuem com o Chromium são a Microsoft, Intel, Igalia, Samsung, Opera e LG. O Google afirma que entre centenas de novos colaboradores que chegaram à plataforma, 90 vieram do Google, e muito mais vieram de fora. A dona do Edge, que ingressou no projeto em dezembro de 2018, corresponde a 35% dos contribuintes não-Google em 2020 – e seus desenvolvedores foram responsáveis por 4.443 alterações no projeto.

Com informações: CNET

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *