Execuções por pena de morte no Egito dobraram nos últimos meses • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

As execuções por pena de morte quase dobraram no Egito em outubro e novembro, e superou o total de 2019. Nos últimos dois meses, 57 cidadãos foram mortos, enquanto o ano passado terminou com 32 execuções.

Um relatório da Anistia Internacional, lançado nesta quarta (2), lança luz sobre a questão. De acordo com a organização, ao menos 15 dos executados tiveram a condenação à morte relacionada com questões políticas.

A Anistia Internacional classifica as decisões como injustas e acusa o governo de grave violação aos direitos humanos. “São julgamentos em massa, grosseiros e estúpidos”, disse um dos diretores da Anistia, Philip Luther.

Manifestante pede pelo fim das prisões arbitrárias e execuções ilegais na Prisão de Tora, uma das mais conhecidas do Egito, na capital, Cairo, em outubro de 2011 (Foto: CreativeCommons/Hossam el-Hamalawy)

Desde que o presidente Abdel Fattah al-Sisi chegou ao poder, em 2014, os tribunais egípcios condenaram cerca de três mil cidadãos à morte. O número é muito superior às cerca de 800 sentenças de morte proferidas entre 2008 e 2013.

A organização exorta as autoridades egípcias a promover a anulação de todas as condenações e realizar novos julgamentos aos presos políticos. Outra reivindicação é a suspensão imediata das execuções.

“Pedimos que os membros do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas estabeleçam um mecanismo de monitoramento sobre as violações no Egito”, reformou Luther.

Questionado, al-Sisi afirmou que não há prisioneiros políticos no Egito. “A estabilidade e segurança são fundamentais”, pontuou.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *