ECONOMIA

Dólar renova mínima em quatro meses antes de inflação nos EUA

(Getty Images)

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar oscilou entre altas e baixas ao longo desta terça-feira e acabou fechando em leve queda, exibindo dinâmica semelhante à da véspera, conforme operadores aguardaram dados dos Estados Unidos em busca de sinais sobre os rumos da moeda norte-americana no mundo.

A pauta doméstica –que trouxe IPCA desacelerando na margem, uma ata do Copom considerada ligeiramente mais branda que o comunicado da semana passada e o curso da CPI da Covid no Senado– pouco mexeu com o valor do dólar.

No encerramento do pregão no mercado à vista, a cotação perdeu 0,17%, a 5,2241 reais na venda –nova mínima desde 14 de janeiro (5,212 reais). Na sessão, variou de 5,2823 reais (+0,94%) a 5,2041 reais (-0,55%).

O movimento do dólar nas praças internacionais pode voltar a ter peso mais relevante na formação do preço da moeda por aqui, à medida que a taxa de câmbio ganha suporte da Selic mais alta, que deixa o real em condições mais semelhantes na comparação com seus principais concorrentes por investimentos estrangeiros.

O foco dos investidores está nos dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos de abril, a serem divulgados na quarta.

A expectativa é que mesmo uma aceleração dos números não mexa com o plano do banco central dos EUA (Fed) de manter estímulos em curso, o que tende a beneficiar ativos de mercados emergentes. Essa visão foi endossada pelos decepcionantes números de emprego norte-americano divulgados na semana passada.

“Crucialmente no atual contexto, o fraco relatório de empregos dos EUA (payroll)… é um provável impulsionador de um desempenho superior para emergentes, em vez da interpretação de que o payroll fraco pode fornecer implicações negativas para o crescimento futuro”, disse o Goldman Sachs em nota.

“Esperamos que o tema responsabilidade monetária continue a conduzir os mercados de câmbio neste verão (no Hemisfério Norte) e no restante do ano. Um Fed sem pressa em um momento de maior confiança na recuperação global sugere que o dólar pode cair mais 5% em base ampla”, afirmou o ING em relatório.

A combinação entre ambiente doméstico menos ruidoso e uma nova pernada de alta para commodities no exterior turbinou o real nas últimas semanas e tem ajudado a comprimir a tão falada volatilidade da moeda brasileira.

As volatilidades implícitas de um, dois e três meses estão nas mínimas desde março do ano passado, mês de caos nos mercados por causa do início da pandemia. A volatilidade implícita entra na conta de medidas de retorno ajustado por risco. Sua queda, portanto, eleva a atratividade do real.

A volatilidade projetada para um ano, porém, está apenas no menor valor desde fevereiro deste ano, o que indica ainda algum desconforto em relação aos rumos da taxa de câmbio nos primeiros meses de 2022, quando haverá eleição presidencial.

Série gratuita ensina na prática como identificar ativos com excelente potencial de valorização. Clique aqui para se inscrever.



Esse conteúdo pertence ao site:

Site: www.infomoney.com.br

Para qualquer dúvida, sugestão, reclamação ou denúncias, envie um e-mail para:

contato@imoveweb.com.br

FONTE ORIGINAL

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Para continuar navegando nesse site, DESATIVE o seu sistema de bloqueio de propagandas, o nosso site se mantêm com elas, porém nada de abuso na exibição, prometo que sua navegação será LIVRE sem incômodos. Obrigado pela visita :)