Dependemos de ciência e tecnologia, mas o Brasil não sabe dar valor

0
19

Dependemos de ciência e tecnologia, mas o Brasil não sabe dar valor

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Imagine um cenário de pandemia —até aqui não precisamos ir muito longe—, mas some a isso o fato de não ter tecnologias disponíveis. Diante disso, o que você faria? É possível ir ainda mais além. Pense se não tivéssemos cientistas e estudos. Como teríamos alguma esperança em um tratamento ou uma vacina?

Já deu para entender que a ciência e a tecnologia andam de mãos dadas para trazer respostas importantes e fazer com que a sociedade avance de maneira significativa. Sem elas, não teríamos tantos recursos que nos auxiliam no dia a dia e que são essenciais para a nossa sobrevivência. Por isso, não é possível tratá-las como um assunto secundário e sem importância.

Na verdade, essa afirmação não é só minha. Com a pandemia do coronavírus ficou evidente o quanto somos dependentes de ciência e tecnologia. Afinal, se conseguimos manter a roda da economia girando em alguns setores, trabalhar e estudar remotamente, fazer compras no supermercado pela internet e ainda conversar com nossas famílias e amigos por videoconferência, devemos isso a tecnologia.

Além disso, se esperamos imunizante, remédio ou até mesmo a cura para o vírus, a ciência tem papel fundamental nisso, já que a comunidade de cientistas espalhada pelo mundo está trabalhando dia e noite para entender o comportamento da doença no corpo humano e trazer um tratamento eficaz.

Ambas trazem benefícios significativos em nossa sociedade. São inúmeras as invenções, os tratamentos e as análises que a ciência e a tecnologia nos proporcionam para facilitar a vida da população. No entanto, estamos longe de valorizar a atividade científica e tecnológica, além de entender os benefícios que proporcionam para uma nação. No Brasil, há inúmeros projetos científicos com resultados importantes, mas que passam despercebidos.

Buscar conhecimento ainda é a melhor saída

Um estudo divulgado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (INCT-CPCT), em janeiro de 2019, mostra que:

  • 15,9% dos jovens acreditam que a ciência traz muitos riscos para a humanidade,
  • 54% consideram que os cientistas “exageram sobre os efeitos das mudanças climáticas” e
  • 40% concordam que “se a ciência não existisse, o dia a dia não mudaria muito”.

Uma pequena parcela dos entrevistados (apenas 6%) afirma ter visitado um museu ou centro de ciência nos últimos 12 meses, índice que é menor do que em pesquisas anteriores realizadas no Brasil, além de ser muito baixo se comparado a outros países. Contudo, os jovens afirmam que a baixa frequência não seria por falta de interesse e sim por dificuldade de acesso ou falta de tempo.

Além disso, 93% dos jovens não souberam dizer o nome de algum cientista brasileiro.

Esses resultados ressaltam a importância da ampliação da oferta de museus, parques ambientais ou centros de ciência pelo país e da divulgação destes ambientes entre os jovens.

Por isso, outubro passou a ser o Mês Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovações. A data, que agora será comemorada todos os anos, foi instituída por decreto Nº 10.497/2020 e tem como objetivo inspirar a família, sobretudo as crianças e os jovens, a participarem de atividades, programas e palestras sobre o tema.

Este é um passo importante para ampliar o conhecimento nessas áreas. No entanto, ainda é preciso fazer bem mais para despertar o interesse da sociedade. Não basta ter um mês dedicado a essas áreas tão importantes, enquanto o investimento para disseminar o conhecimento ainda é escasso e vem sendo cortado ano a ano.

De acordo com o relatório Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação, de 2018, o Brasil investiu 1,26% do PIB em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em 2017, valor abaixo de Coreia do Sul (4,55%), Japão (3,21%), Alemanha (3%), Estados Unidos (2,79%) e China (2,15%) — países que lideram a corrida tecnológica.

Ainda há muito a se fazer

Se queremos um futuro diferente, precisamos mudar esse cenário que se arrasta ladeira abaixo há anos. A pandemia deixou claro que sem ciência e tecnologia, nenhum país consegue se manter e buscar respostas rápidas para lidar com qualquer problema.

Precisamos entender que nem a ciência e muito menos a tecnologia nos levam a uma crise que justifique cortes e falta de investimento. Pelo contrário, são elas que trazem soluções e devem ser encaradas dessa maneira por qualquer governo.

Se o Brasil pretende elevar o padrão de vida da população, trazer estratégias para o pós-pandemia, consolidar uma economia moderna e participar com plenitude em um mundo cada vez mais globalizado, qualquer um concordará que não dá para minimizar essas áreas.

FONTE ORIGINAL

Deixe uma mensagem para esse post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui