Conselho de Segurança da ONU não chega a acordo contra ataques no Sudão • A Referência

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

O Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) não chegou a um acordo sobre como conter a crescente onda de ataques no Sudão. Membros se encontraram em uma reunião fechada nesta quinta-feira (21).

Diplomatas disseram à AFP que membros europeus, EUA e México propuseram que o Conselho instasse o governo do Sudão a acelerar o plano de proteção aos civis.

Outros membros, como os africanos, Índia, Rússia e China, pediram respeito à soberania do Sudão.

A cidade de El Geneina, foco dos ataques violentos no Sudão em janeiro de 2021 (Foto: UN Photo/Hamid Abdulsalam)

A União Europeia e os EUA solicitaram a reunião depois que mais de 250 pessoas morreram em conflitos interétnicos desde o último domingo (17) na região de Darfur. A ONU estima que mais de 50 mil pessoas já deixaram a região.

Na reunião, a maioria dos membros do Conselho condenou a violência. Outros, porém, defenderam que é dever do governo “preencher o vazio” causado após a saída da missão de paz da ONU e União Africana, em 31 de dezembro.

O envio de tropas sudanesas ajudou a restaurar a estabilidade da região na terça-feira (19), mas as autoridades temem novos ataques a qualquer momento.

A onda de violência começou após um homem ter sido morto a facadas, disse o governo. Milícias armadas atacaram a cidade de El Geneina, ao oeste, e tomaram um campo de deslocados internos.

Nesta quinta-feira, homens armados fuzilaram a casa do governador do estado de Darfur Ocidental, Muhammad Abdullah al-Duma. O político não foi atingido.

Violência após missão de paz

A retirada das tropas de paz ocorre em meio a expectativas de estabilização no país africano imerso em décadas de violência e repressão sob o regime de Omar al-Bashir, no poder por 30 anos.

A deposição do líder em 2019 abriu caminho para um governo de transição e um acordo de paz, assinado em agosto de 2020. Desde então, a missão planejava uma retirada gradual dos cerca de 8 mil militares armados. O processo deveria levar seis meses.

Após o fim da missão a ONU deve permanecer no Sudão para auxiliar a transição política do país. No fim de 2020, as autoridades sudanesas se comprometeram a enviar 12 mil soldados para Darfur, em substituição às tropas de paz.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *