Como o ciclo menstrual afeta a pele?

Créditos:Todos direitos de imagens, vídeos e do texto referente a esse artigo estão no final:

Saber como o ciclo menstrual afeta a pele é importante para você se cuidar. Que mudanças ocorrem na pele sob a influência dos hormônios femininos?

Última atualização: 23 Fevereiro, 2021

Talvez você já tenha se perguntado como o ciclo menstrual afeta a pele. Nesse sentido, você já deve ter percebido as alterações que a pele sofre ao longo do mês sem um motivo aparente.

A seguir, explicaremos as chaves hormonais que têm uma influência direta nesse processo.

Como os hormônios do ciclo menstrual afetam a pele?

Vários hormônios sexuais (estrogênio e progesterona) estão envolvidos no ciclo menstrual feminino. A variabilidade de cada um deles em um mês afeta diferentes órgãos. Entre os afetados, está a pele.

Esses hormônios são capazes de modificar o grau de hidratação da derme. Assim, eles também podem aumentar ou diminuir a sensibilidade dos receptores. Portanto, para saber como o ciclo menstrual afeta a pele, cada hormônio teria que ser analisado separadamente.

  • Os estrogênios hidratam a pele. Um aumento no nível desses hormônios está associado a um maior conteúdo de ácido hialurônico na pele, que retém água. Por sua vez, esse hormônio facilita a cura.
  • A progesterona tem sido associada à produção de gordura na pele, que lubrificaria a epiderme. Consequentemente, aumenta a vascularização dos órgãos (aumentando o fluxo sanguíneo para as células).

Como o ciclo menstrual afeta a pele em cada fase?

O ciclo tem esse nome porque passa por diferentes estágios ao longo de cerca de vinte e oito dias. Tudo isso será discutido com mais detalhes a seguir, respeitando as indicações da British Association of Dermatologists.

Fase menstrual

Esta é a fase com a qual um ciclo termina e outro começa. É o período de sangramento menstrual que geralmente dura cinco dias. Neste momento, o estrogênio e a progesterona estão em níveis mínimos.

Portanto, a pele tende a ficar seca. Dada a baixa presença hormonal, a hidratação das células da derme é reduzida. Da mesma forma, o ressecamento é acompanhado por uma maior sensibilidade e aumento de cicatrizes ou lesões na pele.

Junto com a baixa umidade, também há uma menor concentração de gordura. As glândulas sebáceas diminuem sua atividade, afetando a lubrificação, mais um efeito que aumenta o risco de lesões na pele.

Pré-fertilidade

Após a menstruação, começa o aumento progressivo dos hormônios no corpo feminino. No entanto, a verdade é que não são alcançados níveis suficientes para modificar as condições da pele.

Envelhecimento da pele

Continue lendo: Envelhecimento da pele, por que ocorre?

Esses cinco dias do ciclo menstrual compartilham o estado da pele com a fase menstrual. Na verdade, em algumas mulheres a fase menstrual é mais longa e coincide com o período de pré-fertilidade.

Período fértil

Este estágio se aproxima do décimo dia do ciclo. É quando os estrogênios aumentam dramaticamente e atingem o pico no décimo quarto dia. Isso determina a fertilidade, ou seja, a possibilidade de gravidez.

Com estrogênios em boa quantidade, a derme fica hidratada e limpa. O ácido hialurônico retém água e o colágeno fortalece o tecido. Portanto, este é o melhor momento para a pele em todo o ciclo menstrual, uma vez que aumenta a sua capacidade de regeneração.

Pós-fertilidade ou fase lútea

Uma vez ocorrida a ovulação, os estrogênios começam seu declínio, mantendo sua atividade. Assim, o objetivo é continuar retendo água para o momento de ressecamento que surgirá no período menstrual.

Ciclo menstrual

Paralelamente, a queda do estrogênio é compensada pelo aumento da progesterona. Esse hormônio é produzido tendo em vista a possibilidade de gravidez, baixando seus níveis no vigésimo oitavo dia, caso esta não ocorra.

O aumento da progesterona estimula as glândulas sebáceas que irão favorecer a acne no último período do ciclo menstrual. Nesse sentido, as mulheres que sabem como o ciclo menstrual afeta a pele entendem que esta é a época de maior produção de gordura na derme. Especialistas como R. Grimalt Santacana aconselham uma visita ao dermatologista para o tratamento nos casos mais graves.

Leia também: Sinais e sintomas de um alto nível de estrogênio

Patologias da pele e o ciclo menstrual

Além das mudanças inerentes a cada etapa do ciclo, também sabemos como o ciclo menstrual atinge a pele que já sofre de doenças. Mulheres com patologias na derme também notam mudanças específicas nos sintomas durante o mês.

No eczema, por exemplo, as pacientes apresentam sintomas mais intensos durante a fase lútea. Elas sofrem mais coceira e vermelhidão nos dias anteriores ao início da menstruação, melhorando após o sangramento.

Por outro lado, um estudo publicado em 2015 pelo International Journal of Women’s Dermatology explica que mulheres com psoríase podem registrar menos sinais da doença nos dias de pico de estrogênio. Por isso, estão sendo testados tratamentos para quem sofre desses problemas.

A importância de consultar um especialista

A acne tem seu clássico período de agravamento na fase lútea. Como você leu, o aumento da progesterona aumenta a atividade das glândulas sebáceas, intensificando a oleosidade da pele.

É um processo comum. Porém, em casos de problemas maiores, é necessário procurar um especialista. O dermatologista oferecerá um diagnóstico adequado e prescreverá o melhor tratamento.



  • Jiménez, MJ Rodríguez, and N. Curell Aguilá. “El ciclo menstrual y sus alteraciones.” Pediatria integral 21 (2017): 304-311.
  • Hernández, Ingrid S., and Jaime Piquero Martín. “Menopausia y piel.” Dermatología Venezolana 33.1 (1995).
  • González, Ayezel Muñoz. “Menopausia y piel.” Dermatología Venezolana 49.3 y 4 (2011).
  • Raghunath, RS, Venables, ZC y Millington, GWM (2015). El ciclo menstrual y la piel. Dermatología clínica y experimental, 40 (2), 111-115. https://doi.org/10.1111/ced.12588.
  • R. Grimalt Santacana. Acné. Asociación Española de Pediatría. https://www.aeped.es/sites/default/files/documentos/acne.pdf.
  • Danesh, M. y Murase, JE (2015). Los efectos inmunológicos del estrógeno sobre la psoriasis: una revisión exhaustiva. Revista Internacional de Dermatología de la Mujer, 1 (2), 104-107. https://doi.org/10.1016/j.ijwd.2015.03.001.

FONTE ORIGINAL

Veja esses também

Nenhum comentário ainda, adicionar a sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *